Advertise here

A Minha Primeira Viagem Internacional


Olá amigos, espero que esteja tudo bem convosco! Hoje gostaria de partilhar com todos vocês uma experiência de viagem interessante que nunca na vida esquecerei. Posso chamar a esta experiência de a minha primeira viagem Internacional a sós. Foi a jornada que me apresentou à cidade de Tbilisi, e que ocorreu no ano de 2010.

Preparação da viagem

Foi durante o mês de Outubro que ganhei permissão para estudar na Universidade Médica Estatual de Tbilisi, localizada na capital de Geórgia chamada Tbilisi. Até aí nem sabia que existia uma cidade desse nome. O destino opera de formas únicas na vida de cada pessoa, mas no meu caso foi de uma maneira diferente: levou-me a uma cidade que nunca tinha considerado a sua existência e tornou-a mais ou menos na minha residência permanente durante os 6 anos seguintes, pelo menos.

Após o término do processo de admissão sentia-me como se fosse já um doutor de lá para tudo o que acontecesse. Como era a primeira vez que ia estar no estrangeiro a universidade deu-me uma lista de coisas essenciais que seriam precisas para sobreviver em Geórgia. Visto que não conhecia nada do local eu era suposto comprar aquilo que fosse mencionado na lista, que incluía tudo de A a Z. A minha mãe como achava que era escusado eu sofrer sem as amenidades necessárias noutro país, começou a comprar coisas da lista uma a uma. Demorou quase vinte dias para que eu e a minha mãe conseguíssemos resolver a lista e comprar o máximo possível.

No ano 2010 não haviam voos diretos de Chennai para Tbilisi, por isso se precisasses de voar entre esses destinos terias que fazer escala no Dubai e seguir o mesmo percurso que mencionei no meu artigo anterior. Como era o nosso primeiro ano em Tbilisi tínhamos muita bagagem, e nos voos do Dubai o máximo de peso permitido era de 20kgs. Com a lista que temos não dá para levar quase nada só com 20kgs, por isso arranjamos uma maneira alternativa de viajar até Tbilisi através da Turquia. As Turkish Airlines operam os voos entre o Aeroporto Internacional de Mumbai e o Aeroporto Attaturk de Instanbul, e daí outros voos da Turkish Airlines viajam de Istanbul até Tbilisi. Este percurso é mais favorável que os outros porque é a única companhia aérea que permite 40kgs de bagagem até Tbilisi, e considerando as nossas necessidades era sem dúvida a melhor opção; para além disso ambos os voos eram da Turkish Airlines, desta forma escusava-mos de nos preocupar com outras coisas desnecessárias assim que fizéssemos o check-in das bagagens.

Tendo em conta tudo isto, fizemos a reserva de um bilhete na Turkish Airlines, mas havia outro problema:os voos da companhia partem só através do aeroporto de Mumbai e portanto tive que arranjar um meio de transporte adequado para lá chegar. Quando tentei verificar se podia lá chegar de comboio, o resultado foi um fracasso: o aeroporto de Mumbai está a milhas da estação de caminhos de ferro de Mumbai, e apanhar um táxi ou um auto Tuk-Tuk depois de sair do comboio custaria uns 1000 Rupees, mais o dinheiro do bilhete do comboio que ficaria à volta de 4000 Rupees.

Por isso pensamos em reservar um bilhete num voo doméstico para Mumbai mas de novo há um problema: voos domésticos na Índia permitem apenas um máximo de 20kgs, e eu com uns 40kgs de bagagem. No entanto, disseram-me que ao mostrar o meu bilhete de voo internacional dava-me uma oportunidade de levar a bagagem em excesso sem multa, e confiando nessa informação finalizei a reserva do meu bilhete: de Chennai até Mumbai viajarei pela Spice Jet e de Mumbai até Tbilisi o meu voo será com a Turkish Airlines.

Dia da viagem

Agora com o bilhete pronto e a bagagem toda arrumada, só me restava a espera até à data de partida, e estava mesmo ansioso para experimentar uma viagem internacional.

Estava um dia chuvoso em Chennai e as ruas estavam inundadas. O meu voo partia do Aeroporto Doméstico de Chennai para o Mumbai nessa noite pelas 7 horas, e tendo em conta o mau tempo saímos cedo de casa, eu e os meus pais e irmão que me acompanharam até ao aeroporto. Estava a chover imenso em Chennai e não conseguíamos ver nada na estrada. Já estávamos a ficar sem tempo e chegamos em pressa ao aeroporto, e a minha bagagem estava tão pesada que eu sozinho nem a conseguia levantar. Todos os membros da minha família despediram-se de mim com alguma emoção, e depois dirigi-me ao balcão do check-in para buscar o cartão de embarque. A assistente no balcão questionou-me acerca da minha bagagem excessiva e aí expliquei-lhe a minha situação, mostrando-lhe o meu bilhete de voo internacional. Isto convenceu-a e fez o check-in da minha bagagem de 40kgs, o que foi um enorme alívio para mim.

Voltei para junto da minha mãe e fiquei a falar por um bocado até ficar sem tempo, altura em que me tive de despedir dela, do meu pai e irmão. O nome do voo foi anunciado pelo microfone enquanto esperava pela abertura do portão, que se abriu em alguns minutos e aí entrei no autocarro do aeroporto que me levou até perto dos aviões. Estava tão entusiasmado que tentei tirar uma foto do avião, e então um segurança veio a correr até mim para me dizer que fotos não eram permitidas. Mas de qualquer maneira, foi este o voo que iniciou a minha aventura.

Embarquei no avião e tinha um lugar à janela reservado para mim até Mumbai. Quando entrei no voo, procurei o meu lugar, pus a minha bagagem de mão na cabine acima e sentei-me no lugar. Estava a olhar pela janela para a vista fantástica de diferentes aviões do Aeroporto Doméstico de Chennai, e tirei o meu telemóvel para dizer à minha mãe que já estava sentado do voo! Ela ficou feliz e pediu-me para lhe ligar assim que chegasse a Mumbai.

Se virem bem a imagem dá para perceber que a superfície está toda molhada, pois tivemos uma viagem cheia de turbulência, com relâmpagos e trovões para além da chuva. O capitão do voo era um homem muito porreiro que consegui ver ao descer do avião. A viagem foi bastante curta, durando apenas uma hora e meia. Durante a viagem, uma hospedeira perguntou-me se eu queria algo para comer e eu pedi-lhe uma sanduíche. Depois de ma dar, entregou-me também a conta, e aí fiquei chocado por um minuto, mas depois percebi que como era um voo doméstico as companhias de voos de baixo custo tentam capitalizar mais através destas técnicas.

Em Mumbai

Após uma hora e meia de voo através de relâmpago e trovão, o avião então aterrou no aeroporto de Mumbai. No entanto, era o aeroporto doméstico, e eu precisava de ir para o terminal internacional. Para lá chegar o aeroporto disponibiliza um meio de transporte interno para transportar passageiros até lá. Eu cheguei a Mumbai às 21h, mas o meu próximo voo seria só às 3h da próxima madrugada. Fui então até à secretaria de transferências internas e aí guiaram-me até um autocarro, que me levou até ao Aeroporto Internacional de Mumbai em 15 minutos. Quando lá cheguei, meti as minhas bagagens todas num carrinho e empurrei-o até ao balcão da Turkish Airlines onde me pediram para fazer o check-in. Mostrei todos os documentos necessários ao assistente e ele deu-me o cartão de embarque.

O próximo problema a ultrapassar era o da imigração; havia uma enorme fila para completar esse processo. Aproveitei o tempo todo de espera na fila para completar o formulário e finalmente fiquei pronto para enfrentar a imigração. O agente de imigração pediu-me para mostrar o passaporte e outros documentos, como o meu viso que por acaso não tenho. Em 2010 a Geórgia dava os vistos só na chegada e eu tentei explicar-lhe isso, sobre a minha admissão na universidade e de como o visto só seria emitido no aeroporto de lá. Após alguns minutos de discussão o agente lá me deixou passar no processo de imigração.

Após passar pelo gabinete de imigração, desci por umas escadas até um salão de espera com lojas para comer, relaxar e divertir. Foi uma longa espera para o voo. Fiquei sentado nos bancos do salão durante muito tempo. Foi tudo como mostra esta figura:

Havia ainda uma loja sem impostos na área de espera do aeroporto.

Não tendo nada para fazer, estando apenas sentado nas cadeiras à espera, a dada altura adormeci. Depois, às 2h da manhã abriu o embarque para o voo da Turkish Airlines para Instambul. Era o que eu esperava há imenso tempo. Assim que o anúncio foi feito fui logo para o portão onde as pessoas esperavam para fazer a verificação de segurança. Depois de feita, embarquei no avião mas desta vez não recebi um lugar à janela. Ao embarcar reparei logo nas diferenças entre um voo doméstico e um voo internacional: cada assento tinha uma almofada, cobertor e auscultadores, tudo material essencial para uma viagem daquelas. Após uma noite cansativa eu estava exausto, por isso peguei na almofada e meti-a atrás do meu pescoço. O anúncio para os passageiros acerca da segurança durante o voo foi feito, e assim que o avião se começou a mexer eu liguei rapidamente à minha mãe para lhe dizer adeus! O voo ficou no ar num instante, e isto é praticamente tudo que me lembro do voo, porque assim que descolamos eu mexi o banco para trás e adormeci. Dormi como uma pedra durante todo o voo. Inclusive durante o almoço, quando uma hospedeira me perguntou se queria almoço eu nem conseguia dizer obrigado a ela direito. E foi assim durante toda a viagem, não me consegui lembrar de uma única coisa que tenha acontecida no voo de Mumbai até Instambul pois estava a dormir profundamente o tempo todo.

Foi um voo bem longo e os ecrãs do avião tinham uma função especial: era possível conectar os ecrãs para ver o exterior à frente e abaixo do avião através das câmaras do voo. Após uma viagem longa e cansativa, o voo aterrou suavemente e seguro no Aeroporto Internacional de Istambul. Quando o voo parou finalmente, eu estava cheio de pressa para sair e apanhar um bocado de ar fresco, por isso tirei logo os meus sacos da cabine acima e saí do avião. Ao sair, deu para admirar a beleza do aeroporto, deu para ver pelo portão o que está nesta foto!

Em Istambul

Entrei calmamente no aeroporto onde ia ter que esperar por mais umas poucas horas até ao próximo voo. O voo para Tbilisi era às 15h, até lá tinha que arranjar maneira de passar o tempo no aeroporto. Como esta era a minha primeira vez no estrangeiro não sabia bem o que fazer, mas eu conto-vos exatamente tudo o que fiz: o aeroporto era enorme e tinha voos a conectar todas as partes do mundo, por isso haviam placas em todo o lado para guiar os passageiros.

No centro do aeroporto, ponderava a direção a tomar, até que me decidi pela esquerda e comecei a explorar o aeroporto. Na Turquia não se pode perder os gelados turcos, e dentro do aeroporto um único gelado custa à volta de 4€. Mas para além do sabor do gelado, vale muito mais a pena comprar por causa do vendedor. Nunca hás de esquecer a experiência de comprar um gelado turco. Haviam ainda várias lojas de roupa, jóias, calçado, malas e muitas outras mais dentro do aeroporto. E as lojas livres de impostos no aeroporto também eram fantásticas, tinham uma grande coleção de bens locais e estrangeiros!

O logo acima das lojas duty-free criado numa fonte foi uma coisa fantástica de se ver no aeroporto de Istambul. Fiquei então a explorar os diferentes itens numa dessas lojas, como bebidas turcas tradicionais reconhecidas pelo seu valor medicinal, doces Turkish Delight deliciosos, e uma enorme coleção de acessórios de moda.

No fim do aeroporto havia uma série de restaurantes lado a lado. Entre esses haviam algumas cadeias famosas como Burguer King, e outras lojas que serviam comida turca tradicional ou lojas com outros tipos de comidas a preços variados.

O tempo estava a esgotar-se e olhei para o ecrã para ver se o meu voo já tinha chegado, mas no ecrã mostrava só o número da porta do voo que era no outro lado do aeroporto. Comecei a caminhar para lá e no caminho reparei neste BMW lindíssimo em exibição em frente à loja duty-free Istambul:

Após ter visto este lindo e elegante carro, pus-me a caminho da porta, e quando lá cheguei fiquei a saber que o voo estava apenas agendado e que iria demorar pelo menos uma hora a chegar, portanto tinha que ficar a esperar sentado. Como tinha uma dor de cabeça, fui até um restaurante turco do aeroporto comprar um chá quente turco delicioso que me custou cerca de $5.

Depois do chá voltei para os bancos perto do portão e aí me sentei, onde era capaz de ver a cidade de Istambul à distância. Espero que gostem desta vista!

A cidade de Istambul como vista a partir do Aeroporto Internacional de Istambul

As duas imagens acima mostram o parque de estacionamento do aeroporto e como plano de fundo têm a enorme cidade turca de Istambul!

A viagem final para Tbilisi

Enquanto via a cidade as portas abriram-se e eu dirigi-me com a minha bagagem de mão até à verificação de segurança. Desta vez ocorreu algo engraçado: nos meus jeans que estava a usar naquele dia havia um design metálico, e quando passei pelo detetor de metal o aparelho fez ruído. Fiquei nervosíssimo! Os seguranças pediram-me para que repetisse a passagem mas novamente apitou. A seguir pediram para que eu removesse os sapatos, o cinto e a bolsa e que voltasse então a passar, mas o alarme soou na mesma. Até que finalmente me lembrei dos meus jeans. Mostrei-lhes os jeans e deles saiu uma grande risada - e de mim também, que me ria da minha estupidez. Após isto fiquei à espera nos bancos junto ao portão para entrar no avião que podem ver em baixo:

Era este o portão onde esperava e atrás está o avião que me levaria até Tbilisi. Após uns minutos começou o embarque, e eu fiquei com um lugar à janela neste. Ao contrário dos outros voos, este não tinha ecrãs individuais mas sim uma TV comum para cada três filas.

O avião começou a andar e num instante já estava no ar. A viagem não foi muito longa e desta vez não adormeci, eu estava bem fresco de maneira que lembro-me de tudo: estava a dar um bom filme e não havia outra opção para passar o tempo senão vê-lo na altura; tinha três idiomas de áudio disponíveis - turco, inglês e outro que não me lembro. Durante o voo, a tripulação oferecia produtos como saladas de vegetais, saladas de fruta, refrigerantes, água, sobremesas, bolachas, manteiga, azeite, pão, sal e pimenta. Também ofereciam bebidas quentes, por isso pedi uma chávena de chá sem leite.

O voo começou a descer ao aproximar-se de Tbilisi e a aterragem foi suave e segura! Após o avião ficar estacionado junto ao portão e todos terem ido buscar os seus pertences à cabine de cima, fomos todos até ao controle de passaporte. Como referi antes, eu só podia ter o meu visto quando chegasse, portanto mal pude mostrei logo todos os meus documentos a um agente que os verificou e me emitiu um visto de três meses de duração. Depois de passar o controle, fui até ao andar de baixo buscar a minha bagagem toda e pus-la num carrinho, com o qual fui até fora do aeroporto onde me encontrei com os meus seniores que estavam à minha espera para me guiarem, visto que era o meu primeiro ano em Tbilisi!

E assim concluo a primeira experiência de voo internacional, e ao mesmo tempo a experiência que tive enquanto andei por Istambul. Espero que tenham gostado e obrigado pela vossa paciência para ler tudo isto. Por favor deixem algum comentário ou sugestão se quiserem.

Até ao meu próximo artigo, que continuem a sorrir e saúde!


Galeria de fotos



Partilha a tua Experiência Erasmus em Tbilisi!

Se conheces Tbilisi como nativo, viajante ou como estudante de um programa de mobilidade... sobre Tbilisi! Avalia as diferentes características e partilha a tua experiência.

Comentários (0 comentários)



Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!