Advertise here

Eu não conseguia aturá-lo mas aprendi a amar o meu irmão anfitrião

Se também fizeste mobilidade durante o ensino secundário, provavelmente sabes que, no momento em que envias a tua candidatura para o exterior e quando recebes as informações da tua família anfitriã, há uma longa espera que te deixa louco aos poucos. Tudo o que queres é ir em mobilidade e queres desesperadamente saber onde vais passar um ano da tua vida. Mas, quando menos esperas, surge a informação que esperaste tanto tempo, à espera de ser aberta. Eu estava no meu computador uma noite e, depois de concluir tudo o que estava a fazer, eu estranhamente decidi verificar o meu email, quem sabe, talvez alguém me tenha enviado algo importante. Há dez minutos o meu pai anfitrião enviou-me um email (curto) no qual se apresentou, a si e à sua família. "Eu sou o Brian. Estou-te a enviar esta mensagem do Colorado, Estados Unidos. Kim é a minha esposa e Hunter é o meu filho".

Conhecê-los

Entre os cem emails que enviámos de lá para cá, havia um que dizia que Kim e Brian iam estar na Suíça no final de julho. Perguntaram-me se eu poderia ir com eles para que eu puder conhecê-los pessoalmente. Eles podiam conhecer a minha família e dar-me conselhos sobre a minha chegada ao Aeroporto Internacional de Denver. Encontrá-los parecia ideal, eles pareceram-me como uma família desde a primeira vez que os vi, e também foi muito bom para os meus pais verem as pessoas com quem eu ia viver durante um ano. Hunter não pôde ir com os seus pais viajar...

from-hating-loving-host-brother-aaec68c2

Neste lugar conheci-os, alias Sankt Moritz. Passámos algumas horas juntos, almoçámos, andámos pela cidade até chegar a hora de eu e a minha família voltarmos para Milan.

Nem todas as coisas (ou todos) são fáceis de lidar

Aterrei finalmente no aeroporto, liguei-lhes e avisei que o meu avião chegara na hora certa, tudo o que tenho a fazer é passar pela alfândega e depois vou para o desembarque onde estão à minha espera. Errado. Eles estavam no portão errado, então, por fim, vi-os a andarem pelo terminal tentando localizar-me. Foram o Brian e Hunter, e a minha mãe anfitriã estava no carro. Ele não parava de olhar fixamente para mim, provavelmente estava a tentar descobrir que tipo de pessoa eu era. Eu tentei mostrar simpatia desde o início e pude ver que ele era fixe comigo também, mas parecia que ele tinha dois rostos. Em casa, era simpático mas na escola ele não me dava tanta importância quanto eu pensava. Eu até comecei a jogar ténis porque eles me pediram, ele pertencia à equipa. Eu considerava que era uma boa forma de conhecer pessoas e de o conhecer melhor também, mas eventualmente acabou por ser um desperdício de tempo visto que nenhum dos poucos jogadores da equipa acabou por ser bom amigo. Não gostei realmente de como o meu irmão anfitrião se comportou durante essa altura, no ténis.

from-hating-loving-host-brother-02a2fe00

(Esta é apenas uma das consequências de se ser tenista profissional, lol. Na verdade, eu apenas tropecei na rede e caí no campo. Foi num dos meus primeiros dias a praticar. Mas eu aprendi a rir de mim próprio durante a mobilidade, em vez de me preocupar com o que as outras pessoas poderiam pensar de mim naquele momento, hahaha)

from-hating-loving-host-brother-7312aa1b

(Este sou eu, mas agora eu pareço mais mauzão, e bastante concentrado no jogo. A verdade é que eu nem sabia o que estava a fazer. #ahistóriadaminhavidanocampodeténis).

Mas, voltando ao meu irmão anfitrião, ele às vezes não percebe o quão sortudo ele é por ter pais que se importam tanto com ele. Senti que às vezes ele era muito mimado, o que significava que ele não valorizava realmente o que tinha. Ele também escolhia fazer as coisas de forma errada, mesmo quando eu sugeria que ele mudasse e fizesse de modo certo. Penso que começámos realmente a criar laços no princípio de novembro, desde o meu aniversário até ao aniversário de vinte e cinco anos de casados dos meus pais anfitriões e depois no Dia de Ação de Graças e nas férias de inverno. Ele começou a convidar-me a ir ao seu quarto, jogar videogames com ele, assistir séries televisivas, comer junk food às duas da manhã... Quero dizer, para ti pode não parecer atraente, mas isto era tudo o que eu queria fazer. Eu queria relacionar-me com ele e ver como ele realmente era.

No início, ele apresentava-me às pessoas dizendo “este é o meu intercambista de Itália”, mas finalmente ele começou a dizer às pessoas que eu era o seu “irmão italiano”. Sem dúvida que foi bom ser apresentado às pessoas como um membro da família, em vez de um “animal de estimação” estrangeiro. Ele também começou a gostar da minha companhia (acho eu) e disse-me que me via como um modelo. Se ele tivesse que lidar com alguma coisa, ele ia pensar qual seria a minha reação na mesma situação. Considero isso muito bom. Não só nos tornamos amigos, depois dessa frase ele me disse que eu tinha conseguido ter um irmão mais novo.

from-hating-loving-host-brother-c4891e9f

Fonte

(Essa foto resume basicamente tudo o que meu irmão anfitrião e eu costumávamos fazer juntos. Excepto que, em vez de ficarmos em pé, nós relaxávamos os nossos rabos "cansados" no sofá, com um Mac And Cheese. Eu sei, sou italiano e deveria saber que coisas aquecidas no microondas com queijo em pó não são massas verdadeiras (ou nem mesmo boa comida), mas era o que a despensa oferecia. Além disso, não podíamos cozinhar às duas da manhã, ainda tínhamos que parecer normais aos olhos dos "nossos pais") :').

Porque é que estou a escrever isto?

Estou a escrever tudo isto porque sei que muitos alunos estão a sair agora das suas casas para descobrirem novas no exterior, mas quero avisar toda a gente que precisas de ganhar coisas. Não esperes que as coisas sejam perfeitas desde o início, chega ao teu país anfitrião sem expectativas, porque senão podes ficar desapontado com o que realmente te aguarda no exterior. Não cometas esse erro, mas constrói o teu caminho, em vez disso. No final do ano, terás uma experiência completamente única e terás percorrido o teu próprio caminho, em vez de seguires o tipo de mobilidade que desejas ter. Ler as experiências de outra pessoa antes de fazeres mobilidade é uma boa coisa para te inspirares e, talvez, melhorares ainda mais, não para as copiares. Tenho a certeza de que, se também fores para os EUA, haverá coisas que farás exatamente como em qualquer outra mobilidade:

  • bebe uma bebida no Starbucks, porque os Americanos gostam de ir à frente;
  • vai para ao baile de finalistas, porque faz parte da experiência (melhor ainda se receberes o título de Rainha ou Rei! );
  • vai ao corn maze no Dia das Bruxas à noite (não tenho a certeza se toda a gente faz isso, mas sugiro que vás, se houver um perto de ti);
  • comemora o quatro de julho (na verdade, sei que às vezes os alunos regressam em junho, mas tenta ficar mais tempo se o teu visto não expirar logo após a escola. Eu fiquei nos EUA até ao dia 15 de julho! ).

— Cristian

{Ex-bolseiro do Intercâmbio Rotary Youth Exchange da Itália ao Colorado}


Galeria de fotos



Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!