Advertise here

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Museu de Belas Artes

Quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Hoje decidi visitar o Museu de Belas Artes de Lyon. Foi uma das minhas intenções durante muito tempo porque a arte é algo que sempre me interessou. No entanto, é algo que eu infelizmente desisti antes de obter uma forma de qualificação - apesar dos protestos do professor. Durante o segundo semestre aqui, em Lyon, planeio fazer um curso de História da Arte se o mesmo for compatível com o horário das outras cadeiras, por isso a visita foi relevante. Espero com impaciência o momento que tenho de construir o horário do próximo semestre!

De qualquer forma, fui ao museu despreocupadamente. Fui sozinha, prefiro ir a museus e galerias sem ninguém porque posso ver coisas que me interessam e posso vê-las ao meu próprio ritmo. Cheguei à Place des Terreaux que é um marco em Lyon e também um local Património Mundial, por isso é um local popular entre os turistas. O Hôtel de Ville é um edifício grande e sofisticado, revestido com ornamentos de ouro. No centro da praça, há uma grande fonte, muito detalhada, com uma estátua de uma mulher com quatro cavalos. Esta bonita fonte tem como pano de fundo lojas e cafés no lado norte da praça. Essas lojas e cafés incluem um Subway - não podes escapar ao Subway, mesmo num Património da Humanidade!

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Place des Terreaux

Fonte

Quando cheguei à Place Bellecour, tive a intenção de tirar algumas fotos que poderia incluir neste blogue. Liguei a câmara e apareceu uma mensagem a dizer que o cartão de memória estava bloqueado. Eu não sabia porquê nem como a situação poderia ser resolvida. Ainda por cima, era um cartão novo, que tinha comprado quando fui ao Parc de la Tête d'Or algumas semanas antes. Tudo o que tentei não funcionou, então fui à procura de outro. Alguns meses mais tarde, o meu namorado disse-me que a única coisa que deveria ter feito foi carregar no botão do cartão de memória!

Fui a duas ruas laterais à direita do museu, mas não encontrei nada. No entanto, uma tinha ligação à Rua da República, onde sei que há uma loja que vende coisas eletrónicas. Uma menina ajudou-me imediatamente mas a caixa tinha alguns problemas. Depois de esperar alguns minutos, disseram-me que o cartão não estava à venda. Eu não sabia porquê, mas não sou uma pessoa que gosta de fazer histórias.

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Fonte

Continuei na Rua da República na direção oposta ao lugar onde eu esperava passar a tarde, local onde eu estaria bem protegida do frio e do céu cinzento. Sei que havia uma loja da Virgin Megastores numa rua ao lado da Rua da República, então eu fui lá. Imediatamente, encontrei o que precisava. O cartão era bem barato, acho que seria mais barato que a outra loja. Penso que há uma Virgin Megastore aqui que é um pouco estranha. Era uma cadeia de lojas bastante popular na Inglaterra há alguns anos, mas por causa da instabilidade da economia, as lojas fecharam. Eu não vi uma Virgin Megastore durante algum longo tempo até chegar a Lyon.

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Rua da República

Fonte

Finalmente, o meu dia estava no caminho certo. Pude voltar ao Museu de Belas Artes e tive possibilidade de fazer as coisas que organizei para fazer. O museu não estava muito ocupado, então a atmosfera era calma e tranquila, perfeita para a arte. No início, eu não tinha a certeza de qual era a taxa para estudantes e fiquei agradavelmente surpreendida ao descobrir que eu não deveria ter pago nada, nem mesmo pelo guia áudio.

O museu transporta-nos pela história da arte em ordem cronológica, se não te perderes como eu. Mas é suficientemente fácil de seguir. A minha atenção foi desviada para uma sala de exposições. A viagem no tempo começou com arte antiga e terminou com arte moderna. Foi muito difícil encontrar o lugar onde começar, porque não encontrei nenhuma indicação, mas depois do vestiário, onde me deram o guia de áudio, continuei, ao ponto de encontrar umas escadas. Entrei numa sala com objetos do antigo Egipto que eram notáveis, ​​como pequenas figuras de pessoas e deuses importantes, caixões para múmias com muitos detalhes. Acho que havia uma mão mumificada, mas não podia ser comparada a objetos antigos no Museu Britânico em Londres. Mas fiquei espantada ao ver os artefactos antigos do Egipto porque eu esperava que houvesse muitas pinturas do Renascimento como a Galeria Nacional localizada em Londres. A coisa mais marcante na antiga secção de arte do Egipto eram os grandes portões egípcios que foram doados ao museu porque o arqueólogo veio de Lyon. As portas eram intimidadoras com gravuras de hieróglifos que representam o faraó da época e a sua relação com o mundo religioso. No entanto, alguns escritores desapareceram e até ficaram incompletos, talvez uma indicação do tempo instável.

Depois da arte egípcia, havia uma secção muito pequena para a arte do Irão e da Mesopotâmia que tinha algo a ver com o meu curso: Línguas e Culturas do Mundo, que eu estudei durante algumas semanas. Muitas coisas foram colocadas em contexto e conseguia ouvir um pouco sobre cultura, tanto quanto antes, eu teria passado alguns segundos lá.

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Os gregos e os romanos constituem a próxima secção do museu com a sua arte elaborada e realista, sobretudo as representações da forma humana. Tais representações quase desapareceram durante a Idade Média, período em que muita arte tem fins e representações religiosas. Houve principalmente cenas da Bíblia. Os objetos eram frequentemente coisas encontradas em igrejas. As esculturas de marfim eram incrivelmente detalhadas, certamente coisas muito elaboradas. Outras esculturas eram de madeira. Uma sala fazia parte de um altar. No entanto, as cenas representadas pela arte nem sempre eram agradáveis. Lembrei-me de uma escultura que dizia respeito aos mortos, às pragas e ao fim do mundo, talvez o objetivo fosse consciencializar as pessoas sobre a importância da religião. Sem dúvida, lá voltarei se fizer o curso de arte medieval.

De seguida, encontrei-me numa sala de cerâmica espanhola, uma forma de arte introduzida pelos muçulmanos quando estes ocupavam determinados lugares em Espanha. De repente, os meus olhos estavam fixos numa sala do século XX no estilo de arte nova. O arquiteto francês foi uma figura-chave deste movimento. Cada peça foi especificamente desenhada para fazer parte do mesmo. Mas eu pensei: "O que aconteceu? Onde está a arte de outros movimentos como o Renascimento e de outros, como um do século XIX, o impressionismo? "

Tive de subir as escadas para os encontrar, mas isso era algo que eu não sabia quando estava lá. Antes de subir as escadas, havia uma sala de exposições moderna, onde estava a arte moderna. Tenho a certeza de que a minha mãe teria algo a dizer. Durante o verão, fomos à Tate Modern, uma galeria de arte moderna em Londres. Ela não conseguia entender porque é que algumas peças foram classificadas como "arte".

Aqui eu não tenho a certeza do nome do artista, mas eu estava a olhar para algumas telas grandes que eram principalmente pretas. Mas algumas pinturas tinham partes brancas ou cinzentas. De longe, as pinturas pareciam ser bastante simples e sóbrias, e poderia ser questionável se elas eram capazes de serem chamadas de "arte". Mas vistas muito de perto, era visível que o artista usara muitas texturas diferentes, a luz criou diferentes efeitos e enfatizou algumas partes das pinturas. Foi muito subtil, mas não tenho a certeza do que pensei. Eu queria saber mais sobre essas pinturas e as ideias do artista, então experimentei o pequeno guia áudio que eu tinha. Mas o guia não gostou dos números que eu usei e começou a falar sobre o céu pintado e as grandes escadas. Isso não era o que eu queria.

No outro andar, havia algumas salas cheias de pinturas renascentistas. Li algo sobre elas, como foram roubadas e escondidas durante a Revolução Francesa. Depois de terem sido entregues ao Museu de Belas Artes de Lyon, não tenho muita certeza. Deus e religião eram um tema popular em muitas dessas pinturas. O detalhe usado era incrível. As pinturas eram muito talentosas. Fiquei chocada com o realismo dos rostos e o uso de luz e sombras. Essas pinturas eram obras-primas. Sentei-me num banco, na sala vazia, absorvendo a arte ao meu redor.

31/10/12: O Museu de Belas Artes

Fonte

Entrei numa outra sala, que fica à direita da escada, se os enfrentarmos com a intenção de demonstrá-los. Aqui podemos encontrar pinturas e esculturas do século XIX e inícios do século XX. Impressionismo foi um grande tema com o trabalho de pinturas como Pierre-Auguste Renoir, Eugène Boudin, Edgar Degas, Camille Pissarro e, claro, Claude Monet.

O impressionismo é um estilo muito familiar para mim. Estudei-o brevemente durante o meu primeiro ano na universidade, fazia parte dos meus cursos de cultura francesa. Eu também assisti a um programa televisivo com a minha mãe que falava sobre o nascimento e características do impressionismo, uma maneira de distinguir a pintura da nova era da fotografia. Havia algumas pinturas bem conhecidas, como uma "The Charing Cross Bridge" de Claude Monet, um dos meus artistas favoritos.

A última sala era moderna, com mais grandes telas negras. Mas também tem algumas pinturas dos movimentos cubista e surrealista incluindo o trabalho de Picasso. Aqui, a arte era intrépida, viva e cheia de vitalidade. Algumas pinturas mais modernas eram bastante minimalistas, usando apenas três cores.

31/10/12: O Museu de Belas Artes

No piso térreo havia uma sala apenas com esculturas, muitas do Renascimento mas algumas outras eram mais modernas. Passei breves momentos nesta sala, era hora de voltar para casa.

No geral, vale a pena visitares o Museu de Belas Artes, especialmente se fores estudante, porque é gratuito. Passei duas horas no museu e gosto muito do modo como nos transporta no tempo e pelo facto de incluir objetos e não apenas pinturas. Cada época é muito bem apresentada. Eu também aprecio a opção de saber mais sobre algo em muitas das diferentes linguagens, para a maioria dos objetos. Tive um pequeno problema em tentar ouvir informações sobre uma coisa egípcia, mas acho que teria usado a língua francesa, porque esse é o propósito do ano Erasmus!


Galeria de fotos



Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!

Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!