Advertise here

Rebecca Horn em Maribor

Quando fui a Maribor, descobriu-se que a cidade era a Capital Europeia da Cultura. Houve alguns eventos muito interessantes que fizeram parte deste programa. Um deles foi uma exposição de uma famosa artista alemã, chamada Rebecca Horn. Fui ver os seus trabalhos e depois tive de analisá-los. Ela acabou por ser uma artista bastante interessante, com algumas ideias muito peculiares. Aqui está uma breve análise que fiz depois de ver a exposição de Rebecca Horn:

Arte é comunicação

A arte tende à intemporalidade. Ela representa, fala, mostra e comunica com o público. O principal objetivo da arte, há apenas três séculos, era a representação. Começou como uma representação do quotidiano, de crenças e práticas religiosas, figuras e eventos históricos e assim por diante. Os antigos egípcios usavam a arte para representar os seus deuses e se preparar para a vida após a morte. Gregos e romanos representavam belas figuras humanas, admirando as proporções perfeitas do corpo humano.

Durante o cristianismo primitivo, a religião e a Igreja tinham um papel importante na vida das pessoas, por isso a arte era principalmente religiosa. No Japão e na China, retratos e desenhos representavam muitas vezes a natureza, ações da rotina do dia-a-dia, belas mulheres, guerreiros, etc. Até à invenção da fotografia no século XIX, a arte tinha essa função representativa. "Talvez a grande revolução produzida pela fotografia tenha sido nas artes. O pintor não podia mais descrever um mundo que havia sido muito fotografado. Ele passou, em vez disso, a revelar o processo interior da criatividade no expressionismo e na arte abstrata" (McLuhan 210).

Com a fotografia, a arte libertou-se. Foi um processo gradual de investigação e experiências que os artistas passaram. Vários exploraram diferentes perspetivas dos seus mundos ocultos. O surrealismo, a arte abstrata, o cubismo, o futurismo, etc, lidavam com uma variedade de interesses pesquisas artísticas pessoais. Depois das duas Guerras Mundiais a arte tornou-se cada vez mais abstrata. Artistas, como o holandês Mondrian, estavam a procurar uma certa lógica e simplicidade no mundo. Picasso e Braque estavam interessados no tempo e no espaço, criando assim o cubismo, que representava a quarta dimensão, que é o tempo. McLuhan afirma que "cubismo, ao dar o interior e o exterior, o topo, fundo, costas, e frente e o resto, em duas dimensões, elimina a ilusão de perspetiva a favor da consciência sensorial instantânea do todo. O cubismo, aproveitando-se da consciência total instantânea, anunciou de repente que o meio é a mensagem... Não foi isso que aconteceu na física tal como na pintura, na poesia e na comunicação? Segmentos especializados de atenção mudaram para o campo total, e podemos dizer: 'O meio é a mensagem', naturalmente" (McLuhan 13). E a arte em particular mudou até um ponto em que se interessou pelas preocupações e medos, emoções, amor ou tristeza do artista. É por isso que a arte é tão abstrata hoje. A arte pode ser uma pintura, uma fotografia, uma instalação ou um vídeo. A arte poderia ser qualquer coisa, porque as emoções humanas são tão vastas, porque a informação vem tão rapidamente e afeta as nossas vidas diariamente, fazendo com que os artistas se conectem com o mundo inteiro, experimentando os seus problemas e alegrias. Na "aldeia global" em que vivemos hoje, é lógico que a arte possa ser considerada algo que tenha uma relevância particular para a vida, as emoções e os medos de uma pessoa.

Rebecca Horn

Rebecca Horn é uma artista moderna. Os seus trabalhos são abstratos, imprevisíveis, baseados em máquinas e muitas vezes até estranhos. "Em 1964, eu tinha vinte anos e morava em Barcelona num desses hotéis onde se alugam quartos por hora. Eu estava a trabalhar com fibra de vidro, sem máscara ou qualquer outra coisa, porque ninguém disse que era perigoso, então, de repente, fiquei muito doente. Passei um ano num sanatório. Os meus pais morreram. Eu estava totalmente isolada. Foi quando comecei a produzir as minhas primeiras esculturas corporais. Eu poderia costurar deitada na cama" (Winterson). Do isolamento de sua cama, Horn "começou projetos que estenderiam o seu corpo", portanto, quando ela recuperou e voltou para a escola de arte, começou a trabalhar com bandagens protéticas e extensões de corpo acolchoadas (Winterson). "Quando se está muito isolado ou sozinho, tem-se esse tremendo anseio por comunicação, e também esse forte desejo de se comunicar através do corpo". (Power Point).

Rebecca Horn nasceu na Alemanha em 1944, apenas um ano antes do final da Segunda Guerra Mundial. Ela vê o desenho como uma linguagem, e essa é uma linguagem que "não é suspeita" (Winterson). "Não podíamos falar alemão. Os alemães eram odiados. Nós tivemos que aprender francês e inglês imediatamente. Nós estávamos sempre a viajar, a falar outra coisa qualquer. Mas eu tive uma governanta romena que me ensinou a desenhar. Eu não precisei de desenhar em alemão, francês ou inglês. Eu podia simplesmente desenhar" (Winterson). Horn leu e admirou O casamento de Christian Valentinus Andreae de Christian Rosenkreutz e o Locus Solus de Raymond Roussel. Essas duas obras despertaram o interesse de Horn pelo absurdo, a alquimia e as máquinas surreais. Ela também se inspirou nos textos de Kafka e nos filmes de Buñuel e Pasolini (Rebecca Horn).

Rebecca Horn vive em muitos lugares diferentes: Paris, Berlim, Maiorca, Barcelona e Nova York já foram cidades natais dela. "Se um país me pedir para fazer um trabalho para eles, eu vou para lá morar" (Winterson).

Nos anos 80, Horn trabalhava em Itália. Ela estava a filmar uma peça, para a qual era necessário uma cauda de pavão. Quando as filmagens deveriam começar, o pavão tinha perdido as suas penas, então, Rebecca construiu uma máquina que faria o seu trabalho. Este foi o começo do seu amor por máquinas e autómatos, que gradualmente substituíram as suas extensões corporais e começaram a viver uma vida por conta própria. "Para mim, todas estas máquinas têm alma porque agem, mexem, tremem, desmaiam, quase desmoronam e voltam à vida novamente. Não são máquinas perfeitas... Interesso-me pela alma de uma coisa, não pela máquina em si. Eu trabalho perto do meu técnico, que realmente constrói as máquinas, mas sei como elas vão parecer e funcionar. É a história entre a máquina e o seu público que me interessa" (Power Point).

Os anos 80 marcaram outra mudança na direção artística de Horn. Ao colaborar com Jannis Kounellis numa instalação no local de um asilo de loucos em Viena, ela ficou cada vez mais interessada na memória e na história do lugar. Começou a escolher lugares, histórica ou emocionalmente marcantes, para o estabelecimento dos seus projetos (Rebecca Horn). "A escalada dos acontecimentos na Jugoslávia já havia passado pela tragédia de um segundo inverno em Sarajevo. Qualquer esperança pela sobrevivência do sitiado parecia quase ilusória. O metro de Viena estava povoado pelos refugiados da guerra. Essas pessoas abandonadas estavam escondidas nas portas e túneis do metro. A energia de um tipo especial de música estava presente em todos os lugares. Essas pessoas, de alguma forma, ainda precisavam de se articular - não mais com um grito nem através da sua língua, tudo o que lhes restava era a sua música. Essa era a única maneira de expressarem a dor; eles não falavam alemão, não tinham passaporte, identidade, estavam a fugir. No Terceiro Reich, antes de Hitler ocupar Viena, a cidade tornou-se praticamente uma estação de trânsito e, de repente, esse êxodo desesperado estava a acontecer de novo. Como um contrapeso a esse momento de fuga, tentei estabelecer um senso de estabilidade num espaço onde essas pessoas sem nome pudessem redescobrir a sua identidade" (Power Point). O resultado dessa experiência foi um trabalho chamado "The Tower of the Nameless" (ou, em português, "A Torre dos Sem Nome"), construída em Viena e dedicada a esses refugiados sem nome. É uma grande construção, uma escultura de violinos e escadas, entrelaçadas numa só peça. "Em Viena, construí uma torre de escadas numa escadaria barroca numa casa particular. Tornou-se uma estrutura em que apenas uma escada ficava no chão, e as outras subiam dela para o teto e saíam por uma janela alta. Anexados à torre da escada havia nove violinos, a tocar mecanicamente para si mesmos num suspiro maníaco e melancólico. Foi como passar pelo espaço para outro andar, onde havia outra esperança. Dei a isto o nome "Space for the Nameless" (ou, em português, "Espaço para os Inomináveis"), depois de um pequeno cemitério às margens do Danúbio, nos arredores de Viena, que é povoado por corpos não identificados daqueles encontrados a flutuar sem vida rio abaixo. Todas as tardes, um violinista cigano tocava e improvisava durante uma hora com os meus nove violinos mecânicos. Algumas pessoas consideravam que era como o encontro do Oriente com o Ocidente. Para mim, isso é Viena". (Power Point). Outro exemplo peculiar das suas obras, poderia ser "Chorus of the Locusts", que é uma construção de trinta e cinco máquinas de escrever, penduradas num teto a digitar em ritmos diferentes.

Rebecca Horn é professora em Berlim. Ela adora comunicar e conectar-se com os jovens. Ela acredita que Berlim é o lugar onde há sempre algo a acontecer. "Não há muito dinheiro", diz ela, "mas pode-se alugar a preços baixos, e artistas de todo o mundo estão a vir para cá" (Winterson).

Horn recebeu vários prémios. Foi a primeira mulher a receber o prestigioso Trägerin des Kaiserrings Goslar. Os seus trabalhos podem ser vistos em muitas cidades e museus. Em 2012, Rebecca Horn exibiu com vários artistas mais jovens na UGM Maribor Art Gallery (Galeria de Arte Maribor, na Eslovénia). Um breve resumo de seu trabalho poderia ser: uma grande coleção de instalações, filmes, desenhos, fotografias, performances e objetos automatizados.

A exposição Horn realizada em Maribor foi chamada de Maribor Project/Rebecca Horn & Guests (em português, Projeto Maribor/Rebecca Horn & Convidados). Foi uma retrospetiva das obras de Horn e fez parte da comemoração da cidade de Maribor como Capital da Cultura em 2012. Horn convidou Matthias Deumlich, Ali Kaaf, Antonio Paucar, Jakob Schaible e Markus Wüste para expor com ela os seus trabalhos mais recentes. Para a ocasião, Horn criou uma instalação de arte exclusivamente para Maribor. O nome da instalação é "Will o'the Wisps" (em português, "Fogo-fátuo"). Matthias Deumlich concentra-se no som, no movimento e na relação entre ambos. Ali Kaaf trabalha com papel e fotografia. Markus Wüste cria esculturas a partir de materiais tradicionais como grafite ou mármore, mas fazendo objetos, que contrastam com a ideia tradicional de escultura: uma garrafa "plástica" feita de pedra azul pérola ou uma bota feita de grafite. Jakob Schaible trabalha com sal, som, água, luz e movimento. Antonio Paucar concentra-se na arte performática. "Utilizando diferentes materiais e técnicas, os cinco artistas desenvolveram uma forte linguagem artística individual, a fim de refletir a sua perceção subjetiva de assuntos estéticos, sociais e históricos" (Exposição de informações).

Trabalhos de Rebecca Horn

Rebecca Horn trabalha numa linguagem simbólica. Nas suas exposições, quando questionada por jornalistas e espetadores curiosos sobre os seus trabalhos, ela aconselha-os a encontrar o seu próprio significado. Ela afirma que os seus trabalhos são sobre transformação: a transformação pessoal do indivíduo. Gosta de provocar e alcançar os limites. Na sua opinião, artistas como Buñuel ou Pasolini "são pessoas que foram ao limite. Isso é importante, mesmo que se seja atacado por isso", diz Horn (Morgan). O recurso comum a máquinas nas suas obras também é um assunto de interesse. "Não de máquinas", exclama Horn, "tensão. E para criar momentos de tensão, precisas de um vocabulário. Se há uma história sobre pessoas que se amam e tocam e desmaiam, mas que não podem estar juntas, talvez possas contar melhor através de dois pincéis" (Morgan).

No projeto de Maribor "Rebecca Horn & Guests" (ou, em português, "Rebecca Horn & Convidados"), muitos dos trabalhos mais antigos de Horn foram exibidos. Vários novos projetos também foram mostrados.

Este trabalho foi criado em 2012. Consiste em duas cadeiras com facas em vez de pernas. A cada poucos minutos, duas das pernas movem-se. Há uma concha do mar numa das cadeiras, um elemento que apareceu noutras obras de Horn. Pode ser considerado um símbolo erótico da fêmea. A descrição disponível para este trabalho é:

A aparência de Gesualdo depois de matar o servo, o amante e a sua esposa Maria... os ventos da lua tricotando os corpos de novo no manto do guindaste prateado.

Gesualdo foi príncipe de Veneza no final do século XVI. Certa noite, a sua esposa, Donna Maria d'Avalos e o seu amante, Don Fabrizio Carafa, duque de Andria foram encontrados mortos e cobertos de sangue. Testemunhas estavam convencidas de que o assassino era Gesualdo, que tinha entrado no apartamento onde o assassinato ocorreu, aos gritos sobre matar os dois adúlteros. Gesualdo desapareceu de Veneza depois do crime e tornou-se compositor alguns anos depois (Ross).

O trabalho de Horn baseia-se nesta história peculiar, onde arte, amor e vingança se conectam num só. É um trabalho ao estilo de Horn: objetos mecanizados, que se movem e fazem barulho. A cada poucos minutos, o público fica surpreso e muitas vezes assustado com os movimentos repentinos das pernas da cadeira, que também são facas. A história por trás deste trabalho é toda sobre emoções: amor, vingança, raiva... É o que interessa a Rebecca Horn como artista: as emoções e experiências humanas em todas as suas formas.

"Grande Roda de Penas"

Fonte

"Large Feather Wheel" (em português, "Grande Roda de Penas") é um trabalho mais antigo. Foi criado em 1997. As penas eram um objeto comum nas peças de Horn no início da sua carreira: “Feather Finger” ("Dedo de Penas", em 1972), em que as penas eram presas aos dedos de um artista, ou “Cockfeather Mask” ("Máscara de Penas de Galo", em 1973), em que as penas faziam parte de uma máscara específica. Esses trabalhos anteriores mostram a ideia de Rebecca Horn de extensões corporais. Os objetos eram usados ​​como parte do corpo, por estarem presos às mãos, braços e pernas de artistas, ou por serem usados ​​como fantasias ou máscaras. Como mencionado anteriormente neste texto, ao longo dos anos, a abordagem de Horn mudou e ela começou a criar objetos mecanizados, que funcionavam sozinhos, por ela lhes incorporar mecanismos. As máquinas assumiram e vivem as suas vidas independentes. Nesse sentido, provavelmente seria mais fácil relacionar as obras posteriores de Horn com as teorias dos media e tecnologia de Baudrillard, sendo independentes e influenciando a vida do ser humano em todos os aspetos. As últimas obras de arte de Horn dificilmente serão extensões de corpo. São independentes.

"Will o'the Wisps" (ou "Fogo-fátuo")

Este trabalho em particular foi criado para o "Maribor Project/Rebecca Horn & Guests" ("Projeto Maribor/Rebecca Horn & Convidados"). É uma composição peculiar e complexa, com espelhos, luzes, crânios humanos (provavelmente irreais) e sapatos. Os espelhos e as luzes movem-se em direções diferentes. "Will o'the Wisps" (ou "Fogo-fátuo") é um termo real, que vem do europeu e, depois, do folclore americano. Segundo a lenda, "Will o'the Wisps" (ou "Fogo-fátuo"), também conhecido como ‘fogo tolo’, ‘luz-fantasma’, e muitos outros, é uma luz enganadora, que aparece à noite para iludir os viajantes dos caminhos seguros. Isso costuma acontecer perto de cemitérios, pântanos, e assim por diante. Nas crenças folclore estas luzes eram espíritos ou fadas maliciosos ("Will-o'-the-wisp").

A descrição deste trabalho de Rebecca Horn é:

"Os peões perdidos a circular na sua solidão nunca conseguiram chegar, fugiram quando ainda eram jovens demais, silenciados no vento". O trabalho tem significado simbólico. Poderia ser considerado como uma "discussão" de emoções e sentimentos, que eram um tema importante nas obras de Horn: solidão, isolamento, etc. Contado num estilo mitológico ou folclórico, este trabalho representa isolamento, medo e solidão. Um projeto muito complexo na sua natureza. Um grande número de "esculturas", consistindo em crânios, presos a postes e terminando com sapatos de operários, estão dispostas juntas. Movimento de certos elementos dá vida às figuras. Plantas secas são adicionadas para criar a sensação de estar numa floresta, ou perto de um pântano. Este trabalho pode ser visto como um resumo da arte de Horn. Ela reúne a ideia de máquinas com alma, a noção de isolamento e solidão, a mitologia... É a própria Rebecca Horn: uma artista complexa, que está sempre à procura, experimentando e expressando uma ampla variedade de emoções.


Galeria de fotos



Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!