Advertise here

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Eu já referi isto antes: Erasmus não é apenas estudar e ficar numa cidade. O mais importante é construíres amizades duradouras e lembranças inesquecíveis. Como é que fazem isso? Façam coisas juntos! Vivam aventuras! Viaja!

Eu fiz amigos de todas as partes do mundo e um dia estabeleci-me num grupo muito internacional, alguns deles vieram de longe. Para eles, foi a oportunidade perfeita para viajarem pela Europa. Pediram que nos juntássemos a eles. Decidimos ir juntos para Varsóvia. Esse não era o meu destino de sonho, mas os preços dos voos eram tão baixos e o mais importante era viajar com os meus amigos. Éramos dois da Colômbia, três gregos, um italiano, um espanhol, eu e outra rapariga colombiana, que estuda na Bélgica e se iria juntar a nós em Varsóvia. Nós saímos na sexta-feira, duas semanas depois dos ataques. Foi muito stressante. Eu estava habituada a ser a única pessoa pontual, mas o que me esperava este fim de semana era melhor do que tudo. Queríamo-nos encontrar às 12:30h na estação de autocarros para apanharmos o autocarro para Beauvais. Eu estava um pouco atrasada, porque não encontrei a saída certa do metro e fiquei envergonhada por ir ser a última a lá chegar. No entanto, eu parecia ter sido a primeira a chegar. Ou não. Depois de ter procurado um pouco, encontrei o meu amigo espanhol, que imprimiu os nossos bilhetes e era bem informado, porque ele morava realmente em Paris. Ou seja, a longo prazo, ao contrário de nós. Eu fiquei feliz que alguém, à excepção de mim, já lá estava. Os gregos enviaram-nos mensagem a dizer que já estavam no local combinado há muito tempo, mas não nos conseguiram encontrar e os dois colombianos ainda estavam algures no metro. Alguns minutos mais tarde, um deles chegou e disse-nos que o rapaz italiano, que apenas conhecia o colombiano, já estava no aeroporto. Quando todos, à excepção da menina colombiana, tinham chegado, nós ficámos com medo de perder o voo, porque a senhora responsável nos disse que só conseguiríamos apanhar o voo se apanhássemos aquele autocarro, que ia sair agora. O rapaz espanhol quis esperar de qualquer maneira e, por isso, nós fomos embora sem ele. Ambos apanharam o próximo autocarro e ainda chegaram a tempo do embarque, mesmo com o controlo de passaporte para os colombianos. O que foi surpreendente foi que no aeroporto os controlos de segurança não foram reforçados, tal como esperado após os ataques. Na verdade, eu até tive a sensação de que quase não haviam seguranças e senti-me um pouco insegura. Para mim, o caminho para o aeroporto já foi bastante stressante, visto que normalmente eu chego ao aeroporto uma hora e meia antes do meu voo. Lá, eu não sabia, e isso ia piorar ainda mais nos próximos dias...

Após duas horas e meia num voo desconfortável com a Ryanair, aterrámos em Modlin. A primeira coisa que fizemos foi trocar o nosso dinheiro em Euros para Sloti e depois apanhamos o autocarro até à estação de comboios, onde apanhamos o comboio para o centro da cidade e ainda outro autocarro até ao nosso hostel. Com isto demoramos mais uma hora e meia. Até lá, nós descobrimos que os polacos não sabem ou não querem falar inglês e são relativamente hostis. Por exemplo, quando perguntámos a um motorista de autocarro qual o autocarro certo, ele fechou simplesmente a porta e foi embora. O albergue era muito bom e nós ficamos a dormir sozinhos num quarto com 10 camas, pelo menos na primeira noite. Nós deixamos as nossas coisas lá e fomos procurar um restaurante, já era tarde e nós estávamos a morrer de fome. Eles tinham comida tradicional da Polónia e nós partilhamos todos os pratos para podermos experimentar tudo. Nós também bebemos cerveja quente, o que foi uma experiência bastante nova. A primeira palavra polaca que aprendemos foi: Na zdrowie, que significa saúde. Estava tudo delicioso e comemos muito por pouco dinheiro. Nós pagamos três euros. Agora já não preciso de me perguntar mais como é que as pessoas Erasmus na Polónia estão sempre tão "ricas". Depois do jantar, o nosso último membro do grupo juntou-se a nós e fomos à procura de um bar. À uma hora, ainda não tínhamos encontrado algo diferente de alguns pequenos bares e assumimos que o povo polaco tem uma perceção diferente de festa. Quando perguntamos a pessoas da nossa idade, elas não falavam inglês nem nos enviaram para pubs irlandeses. Mas nós queríamos dançar…

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

No dia seguinte, nós queríamos fazer uma visita a pé às 11 horas, que era gratuita, mas adivinha: apenas três das nove pessoas estavam prontas, então não fomos. Estavam menos três graus, tempo nublado, frio e cinzento. Com roupas quentes, saímos para passear pelo centro da cidade. Nós fomos para uma muralha na cidade velha e vimos o castelo de Varsóvia. É uma cidade agradável, com todas as casas coloridas e as decorações de Natal. A cada poucas horas, pegávamos algumas bebidas quentes para aquecermos de novo, não importava se era vinho quente, cerveja quente, café quente ou chocolate quente. O importante era o QUENTE, porque estava muito frio lá fora. Nós tivemos um almoço barato e tradicional e juntámo-nos a outra excursão ambulante que estava a informar sobre a Varsóvia Judaica. Foi interessante, ficámos a saber sobre todos os guetos e monumentos. Andamos de braços dados o dia todo para nos aquecermos. As colombianas tiveram de comprar algumas meias (sim, usavam meias curtas e ténis), cachecol e chapéu. Tiveram os casacos abertos o tempo todo, por causa das suas roupas.; -) Nós acabámos o passeio depois de uma hora e meia ou duas horas e meia, porque estávamos a congelar e o céu já estava a ficar escuro como breu. Às 16 horas!

Nós aquecemo-nos no museu Foyer of the Jewish e compramos algumas lembranças. Depois de longas discussões, decidimos ir ao bairro de Braga, que é conhecido por ser bom e onde por vezes se pode ver lá ursos. Nós passeamos lá e depois apanhamos o metro para conhecer as pessoas gregas que foram para casa antes. Isto é, lá tivemos a nossa próxima má experiência com os polacos. Quando mudamos de metro, um rapaz seguiu-nos e perguntou se éramos franceses. Nós tínhamos estado a conversar sempre em francês, fazemos sempre isso, por isso apenas dissemos que sim. Ele ficou perto de nós, sempre a olhar para o nosso amigo espanhol e, de seguida, atacou-o, e é claro que o meu amigo recuou e tentou dizer-lhe que não queria nada de mal. Ele era o único de nós que sabia pouco inglês. Tentei meter-me no meio dos dois e conversei em inglês com o senhor, perguntei-lhe qual era o problema dele, enquanto as colombianas tentavam encontrar alguém para nos ajudar. Não foram bem-sucedidas, pois todos disseram: "Não é problema nosso". O rapaz polaco estava a dizer: “Fale polaco, fale polaco…". De algum lugar, um amigo dele apareceu e afastou-o de nós. Ficamos todos um pouco chocados porque não fizemos nada de errado, excepto não falarmos polaco. E ninguém deu atenção a isso. Quando chegamos ao mercado de Natal, já estava a fechar. Estavam lá apenas 10 bancadas. Isso não é um verdadeiro mercado de Natal.. Então, voltamos para casa para jantar. Conhecemos algumas pessoas simpáticas e de mente aberta: gregos, franceses, canadianos…. A única pessoa estranha, era o rapaz polaco que estava no nosso quarto. "Eu ouvi, nesta sala estão apenas espanhóis, portanto eu saio amanhã", disse ele. De seguida, ele acrescentou alguns comentários contra as mulheres, perguntou-me se eu queria dormir com ele e também com algumas outras meninas e, depois, quase começou uma luta com o nosso amigo grego. Nenhuma de nós, raparigas, entrou sozinha na sala depois disso e ficamos todos felizes por ele ter desaparecido na manhã seguinte. Esta noite, nós estávamos mais bem preparados e tínhamos procurado alguns bares antes de sairmos, lá encontramos o irmão e amigos do meu amigo grego. Foi uma noite agradável e ainda nevava!

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Na manhã seguinte, eu e a rapariga colombiana, que foi uma das últimas que se tinha deitado a noite anterior, mandamos todos para fora da cama, porque queríamos chegar a tempo para o passeio a pé. O problema era que todos estavam a dormir muito tempo e quando queríamos sair eles ainda queriam ir tomar um banho rapidamente. Eu disse-lhes que se eles queriam tomar banho, eles tinham de se levantar mais cedo. Agora, os colombianos repararam que os europeus também não tinham tomado banho ainda e quando lhes dissemos que já tínhamos tomado um ontem, eles responderam: "Os europeus são porcos, não tomam banho todos os dias. Como conseguem sobreviver a isso? " Bem, está frio aqui, ninguém vai suar, então consegues viver um dia sem tomar banho. Nos dias seguintes, eles provocavam-nos: “Ah, hoje eu não tomei banho, já me sinto europeu”.

O problema seguinte foi o que vestir. Um deles disse: "Oh não, agora estou a vestir uma camisola e umas calças de ganga. Isso não é aceitável, tenho que mudar! " E o outro: "Oh não, esta cor não combina com essa, tenho que mudar! Eu olhei para mim e para as minhas leggings quentes, fofas e coloridas, a minha suéter feia mas quente, o meu chapéu não apropriado, que eu odeio de qualquer maneira porque pareço estúpida a usar chapéus, e as minhas botas e casaco, que eu gosto. Essa foi talvez a única coisa que parecia bem, mas também não ficava bem com o resto. Mas, na verdade, prefiro parecer estúpida do que estar com frio. Mas essa foi a primeira vez que fiquei a questionar-me o que os outros, todos perfeitamente bem vestidos, estavam a pensar sobre mim e sobre o que eu estava a usar. Nunca ninguém me disse nada a respeito disso antes, mas nesse momento eu percebi quão importante era o vestuário para eles e o quão sem importância isso era para mim e que eu não me encaixava nesse grupo. Por um breve momento, eu senti-me insegura, mas não disse nada, até que percebi que eles não me estavam a criticar pelo que eu estava a vestir. Eles gostavam de mim de qualquer maneira, se não, eles não me iam convidar o tempo todo. Foi quando eu lhes disse: "Ninguém se importa se estás a vestir ganga em cima de ganga, quando colocas o teu casaco, ninguém vai ver. Ninguém se preocupa se esta cor combina com esta, por isso é melhor vestires algo rapidamente e vamos embora! " Mesmo que estivéssemos um pouco atrasados, ainda encontramos o grupo do passeio a pé e aprendemos muito sobre Varsóvia, a sua destruição, reconstrução, cultura, ambiente, pessoas importantes como Marie Curie e o músico Chopin e muito mais. A guia falou-nos, por exemplo, sobre o estádio de futebol, que foi completamente inundado pela chuva e agora é chamado de "piscina" ou o grande sino no centro da cidade, onde tens de saltar só com uma perna, três vezes ao redor para teres sorte. O tempo estava muito melhor do que nos últimos dias, o sol estava a brilhar e estava quase calor. Depois de uma hora e meia de passeio, fomos a um bar de leite tradicional para almoçarmos. Este foi também o momento quando o bom tempo acabou e o nevoeiro voltou. Antes de o sol se pôr, subimos o Palácio da Cultura, a torre mais alta de Varsóvia, para apreciarmos a vista sobre Varsóvia. E, mais uma vez, estava escuro como breu. Depois de passearmos sem destino, fomos a um bar de cerveja para provarmos cerveja polaca. Aqui, mais uma vez, ninguém falava inglês e nós comunicávamos com as mãos e os pés. À noite, fomos novamente a um restaurante no centro da cidade. Nós, pobres parisienses, tivemos que aproveitar a comida barata, antes de voltarmos a Paris e não podermos comprar nem mais um café. Todos nós amamos o Pierogi (pastel cozido) polaco! Nós comemos todas as variedades que encontramos, doces ou salgadas.

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

A parte mais stressante está por vir. O voo de regresso. Eu, como a alemã cheia de talento para organização, tinha a tarefa de planear tudo. Porém, ninguém quis seguir o meu plano: "Isso é muito cedo... ", "Podemos fazer isso em menos tempo... ", "Não te preocupes tanto... ". A menina colombiana que estuda na Bélgica já foi embora de manhã cedo, por isso fiquei sozinho com o italiano, que era o único dos meus amigos de confiança, no que toca a pontualidade. Eu não o conhecia antes, mas tornámo-nos amigos próximos em poucos dias. Nós também éramos os únicos a estar prontos a tempo. Eu tinha arrumado as minhas malas na noite anterior e, de manhã, vesti-me, tomei o pequeno-almoço, perguntei sobre o caminho, o comboio e tudo, enquanto os restantes ainda estavam de pijama (e isso também só depois de eu ter aberto as janelas) e deixar entrar os menos três graus de vento, toda a gente me odeia por isso) e a perguntarem: “Quando é que nós queríamos ir embora? " E eu: "Há dez minutos atrás... " Às dez e dez, estavam todos prontos, mas foi o dono da pousada que não nos deixou ir, porque um de nós não pagou. Mas era impossível, porque pagamos ontem à noite, pois era obrigatório pagarmos juntos. Depois de algumas discussões, nós descobrimos que havia um senhor com o mesmo nome a dormir no hostel e nós fomos autorizados a ir embora.

Apanhamos o seguinte autocarro e queríamos comprar bilhetes para o comboio. “Você quer bilhetes para as 11:15h ou para as 12:15h? ” - “Uhh, antes, se possível? ” - “Não, você já está muito atrasada para isso”. Eu sabia isso desde o início, mas agora fiquei nervosa. Então, compramos os bilhetes para o próximo comboio, compramos algo para comer e apanhamos o próximo comboio. Lá, no comboio: “Nadine, onde temos que sair? " - "Eu não sei, essa era a tua parte, eu pensei que tivesses procurado. " - "Não…". Então, procuramos na internet qual era a seguinte estação e fiquei cada vez mais nervosa. Já no comboio, não podíamos fazer nada além de esperar. Às 12 horas, chegamos à estação de comboios e tivemos que apanhar o autocarro, que chega às 12:25h ao aeroporto. O nosso portão fechava às 12:30h. Eu estava a fazer um esforço para ser mais rápida, enquanto o outro rapaz ainda queria ir à casa-de-banho e terminar as suas bebidas! Eu estava extremamente nervosa. Os colombianos ainda tinham que passar o controlo de passaporte e todos nós tínhamos de passar na verificação de segurança. E, meu deus, os polacos são das pessoas mais relaxadas do mundo: conversavam com todos, abriam cada bolsa, vasculhavam tudo e depois nem fecham novamente. Às 12:13h, chegamos ao portão e ouvimos o anúncio “Chamada final para o voo para Paris Beauvais”. Fomos os últimos a entrar no avião e a porta fechou e nem cinco minutos depois estávamos no ar. E adivinha o que o outro disse? "Nadine, não precisavas de stressar tanto, nós chegámos a tempo, de qualquer maneira, da próxima vez acordamos ainda mais tarde". Isto foi uma piada, ou pelo menos eu espero que…

Três horas depois, chegámos a Beauvais. Foi um pouco um "choque de temperatura". Em Paris estavam 12 graus, o que são mais 15 do que em Varsóvia. Por causa da conferência sobre o clima em Paris, muitas ruas foram fechadas e o autocarro demorou ainda mais para nos levar para casa. Nós estávamos todos a dormir no autocarro, uns em cima dos outros. Fiquei feliz com a oferta do meu amigo grego para se juntar a ele para o jantar, o seu colega de apartamento tinha cozinhado e eu não estava com vontade de fazer o meu próprio jantar. Além disso, eu não queria voltar para o meu pequeno apartamento, onde estaria sozinha. Depois daquele fim de semana de aventuras, senti-me muito sozinha. Eu estava tão cansada, que apanhei o metro errado, quando voltei para casa, demorando mais tempo. Foi a primeira e última vez que algo do género aconteceu comigo em Paris.

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia

Foi uma viagem incrível com os meus amigos, todos nos demos muito bem e divertimo-nos muito. Nós rimos o dia todo, e sobre tudo. Nós não tivemos nenhum problema ou discussão entre nós e isso é muito notável quando se viaja com um grupo tão grande e com tantas origens culturais diferentes. Apesar de não nos conhecermos há muito tempo, alguns de nós apenas há alguns meses ou semanas e dois deles apenas há alguns dias. É claro que provocávamos uns aos outros com alguns preconceitos internacionais, mas era de forma amigável e ninguém levava a mal. Eu sou muito grata por ter encontrado estes amigos, eu amo-os, por mais loucos que possam ser. Também foi um bom impulso para o meu francês porque conversámos durante quatro dias inteiros apenas em francês. Não obstante, estou feliz por estar de volta agora e poder relaxar... Oh espera! Relaxar? Não, os exames começam na próxima semana, por isso há que começar a estudar!

Um fim de semana longe de Paris e da França - viagem a Varsóvia


Galeria de fotos



Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!

Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!