Advertise here

Sobreviver e desfrutar da vida em Milão


Muitos me perguntam: "Como definirias o teu Erasmus em Milão, a super cidade da moda? " Ao que lhes respondo: "Estranho, mas inesquecível e divertidíssimo ao mesmo tempo. " No princípio pode ser um pouco difícil, mas isso varia de acordo com a sorte que tenhas.

Comecemos então por falar um pouco de Milão e da região onde está localizada, a Lombardía.

Localização e Território

Fonte

A Lombardía é uma região no norte de Itália cuja capital é Milão. Faz fronteira no norte com os Alpes e com a Suíça; no oeste com a região de Piemonte onde se encontra Turín e a famosa equipa de futebol, Juventus; no este com a região de Trentino-Alto Adige e Veneto, onde está a linda Veneza; e no sul com a Emilia-Romagna.

Esta região faz parte da Pianura Padana (Planície Padana), onde o queijo grana-padano é um produto típico, e cujo principal rio é o Rio Pó.

Para ficarem com a ideia do tamanho desta região, é o equivalente a Alicante, Valência e Castela juntas.

A Lombardía é também conhecida por ser uma das regiões dos lagos, onde podemos encontrar os belos lagos de Como, o Lago Maior, o Lago de Iseo, Lago de Idro e o Lago de Garda, este último que é o maior de Itália com 370m² de superfície.

Cidade de Milão

Como já foi dito, é a capital de Lombardía e é também a capital da indústria italiana. É mundialmente conhecida como a capital da moda, uma opinião que não partilho, pois a partir do meu ponto de vista não vejo assim tanto “glamour”, exceto em lugares como a Praça da Catedral ou a Via Montenapoleone. De resto é uma cidade como qualquer outra.

Fonte

Pessoas

Milão é uma cidade grande e cosmopolita. Nas ruas da cidade, podes encontrar gente de diversas nacionalidades e de cidades de toda a Itália: paquistaneses, chineses, árabes, franceses, albaneses, espanhóis, sicilianos, puglieses. Acho que até se pode dizer que é mais difícil encontrar milaneses que gente que não é da cidade.

Milão por si só não é das cidades mais bonitas de Itália, mas tem alguns sítios agradáveis e bonitos por onde passear. Atenção, que não se confusa com a região completa porque aí faria uma grande concorrência com o resto.

  • Parco Sempione: é uma maravilha e é bastante grande, é onde se encontra parte do Castello Sforzesco.
  • Fonte

  • A zona do Navigli e da Porta Ticinese: uma zona jovem e tranquila.
  • Fonte

  • A Praça da Catedral: a catedral é “veramente” maravilhosa.
  • Fonte

  • A zona do estádio de San Siro e o hipódromo.
  • Fonte

  • Idroscalo”: um lago muito grande de Milão adaptado para tomar banho. É referida como a “pequena praia de Milão”. Têm que ir lá durante o verão!

Gastronomia

O “aperitivo” é o típico de Milão. Não é o aperitivo que se come antes de comer, mas antes um que se come de noite. Consiste em ir a um pub ou café e, por uns 5-8€, podes tomar um cocktail ou a bebida que quiseres e comeres até arrebentar a partir de um mini buffet livre onde encontras muitos pratos típicos (polenta; focaccia; risotto alla milanesa; cottoleta alla milanesa, que é panado de frango).

Fonte

Um bom sítio onde se pode comer o “aperitivo” é no Skip Intro (Via Donatello, perto da Viale Abruzzi, após sair da paragem de metro de Loreto na linha vermelha).

É pecado se não provarem os seguintes:

  • Os gelados italianos: são extremamente cremosos.
  • Fonte

  • Os Panzerottis: são uma espécie de pão em forma de empanada recheada de tomate, mozarela e por vezes presunto. Um bom sitio para se comer isto é no Luinis, na Via Radegonda, ao lado da Piazza Duomo, e costumam custar 2, 50€.
  • O Panettone ou o Pandoro: o primeiro é uma espécie de biscoito gigante com frutas e o segundo é a versão sem fruta e com açúcar em pó. São ambos doces de Natal.
  • Os Chiacchere ou as Bugie: são tipo bolinhos de massa folhada com açúcar e/ou chocolate, típicos durante o Carnaval.
  • Fonte

  • O clássico de Itália: ou seja, as boas pizzas, massas e cappuccinos italianos. Um sitio bom e barato é o “Stop”, mesmo ao lado da paragem de metro de Loreto, linha vermelha.

Universidades

A cidade conta com diferentes universidades e todas elas com muitos campus e faculdades.

  • A Unimi: Università Statale ou Università Degli Studi di Milano.
  • A Cattolica del Sacro Cuore.
  • A Università Commerciale Luigi Bocconi.
  • A Accademia di Belli Arti di Brera: de grande importância.
  • Fonte

  • A IULM: Libera Università di Lingue e Comunicazione.
  • A Politécnica.
  • A Università Degli Studi di Milano-Bicocca.

Estudos

Os créditos de lá são CFU. Um CFU = 1, 5 créditos “espanhóis”, normalmente valem mais lá.

Os exames no geral são orais, uns 15 minutos a falar em italiano em frente da turma e do professor. Para aprovares precisas de, no mínimo, um 18 num máximo de 30.

Transporte e Aeroporto

Neste aspeto dei 5 estrelas. O transporte público é ótimo, rápido e barato. A gestora é a ATM (Azienda Transporti Milanesi).

Metro

  • Tem 3 linhas: a 1, que é a vermelha; a 2, que é a verde; e a 3, que é a amarela.
  • Entra em funcionamento a partir das 6:00h e encerra às 23:30h (dias da semana) e às 00:30-1h (fins de semana).
  • Um bilhete urbano custa 1€. O passe urbano para estudantes custa 17€ por mês e serve para todos os transportes públicos, mas no início quando fores levantar o cartão tens que pagar 10€ por ele. Tenham cuidado para que não entrem nas zonas interurbanas; a diferença do custo dos bilhetes é de 0, 20€ mas a multa por levar um bilhete urbano em zonas interurbanas é de 35€, e a desculpa do “não entendo” ou “sou estrangeiro” não vale; falo por experiência.

Também há outros meios de transporte como o elétrico (há tantos que a cidade é completamente coberta de cabos, onde se metem também as “farolas”, que são as lâmpadas que iluminam as ruas); troleicarros, autocarros, os comboios suburbanos, bicicletas de aluguer, etc.

Ah quase me esquecia! Os bilhetes podem ser adquiridos nas estações de metro, nos quiosques (edicola), tabacarias (ricevitoria) e em qualquer supermercado. Servem para tudo. Por isso não tentem pagar ao condutor como eu fiz, senão ele fica a olhar para ti com cara de poker e depois começa a gritar em italiano para ti, haha. Ah, e validem sempre as viagens, senão pagam logo multa!

Aeroportos

Milão tem 3 aeroportos:

  1. Bérgamo: este é usado pelos “viciados” na Ryanair.
  2. Linate: quase no centro da cidade.
  3. Malpensa: o maior.

Para ir/vir do aeroporto, há bilhetes 3x2 por 19€ para autocarros que saem/chegam à Stazione Centrale. Se não, o bilhete vale só 9€. Para ir ao de Linate há um autocarro, o x73, que te leva por 1€ e pouco desde San Babila até ao aeroporto em menos de 20 minutos.

Para o de Malpensa pode-se ir também de comboio. Para essa viagem, têm de apanhar o comboio até à cidade de Bergamo e aí apanhar um autocarro na porta dessa estação (1, 75€) que vos vai deixar À porta do aeroporto. O comboio custa à volta de 5€.

Supermercados, Lojas e Centros Comerciais

No geral é tudo um pouco mais caro, sobretudo a carne, os enchidos (vejam lá que 5 fatias de fiambre de pior qualidade custam 3-4€! ), o azeite e os têxteis.

Os supermercados mais conhecidos são os seguintes (ordenados por preços, do mais barato para o mais caro):

  1. Lidl: perto da estação de Lambrate.
  2. Carrefour.
  3. El Gigante.
  4. Bon Dia: nas grandes estações.
  5. Esselunga.
  6. Standaz.
  7. M & S.
  8. Coop.
  9. Pam.
  10. Carrefour Express.
  11. Di per Di: os três últimos encontram-se frequentemente no centro.

Para aqueles que estão a entrar em nervos ao quererem saber se há Bershka, se há Stradivarius, se a roupa é igual à que há em Espanha; sim, há de tudo exceto Blanco, e as lojas Zara e H&M são muito comuns. A roupa costuma ser a mesma e mais cara também (ex. : calças são 5-10€ mais caras). As ruas que têm mais lojas deste género são a Corso Buenos Aires, as paragens da linha vermelha de Loreto, Lima e Porta Venezia; e na Via Torino, perto da Catedral.

Fonte

Os centros comerciais costumam estar longe do centro da cidade.

Alguns centros comerciais são estes:

  • C. C. Vulcanoz: para ir até lá, apanha a linha vermelha até Sesto Rondó e lá apanha o autocarro 701 e sai em Viale Italia, e aí vai estar à tua esquerda. Lá está uma das 2 Stradivarius que há na cidade, o supermercado El Gigante e também há um sitio onde fazem uns gelados argentinos deliciosos chamado Patagonia.
  • C. C.Carosello: vai na linha verde na direção de Cologno Nord e apanha o autocarro (Navetta) Ikea. Esse autocarro é grátis e leva-te até à porta do Ikea. O pior é que para ir até ao Carrefour tens que atravessar rapidamente uma estrada.

Clima

O clima no geral é seco. Em setembro costuma estar calor e há muitos mosquitos (a sério, é melhor trazerem um spray anti mosquitos porque isto é horrível). No inverno pode nevar 5-10 vezes, exceto no centro da cidade.

Costuma chover com mais abundância em outubro e nos meses da primavera, mas é uma chuva ligeira.

O frio é suportável no inverno porque não é húmido (foi o que nos disse uma murciana que pensava que ia morrer de frio aqui, algo longe da verdade).

Um aspeto que não gosto nada de Milão é a contaminação e o “manto cinzento” no céu, sendo que céu azul é algo raro de se ver, principalmente durante o inverno.

Papelada e coisas para fazer mal chegares

Quando chegarem, vão ter mil coisas para fazer.

Eis algumas:

  • Cartão ESN: custa 5€ e precisam de uma foto tua. Faz-se nas universidades, no gabinete Erasmus ou no gabinete de ESN. Com este cartão podes entrar gratuitamente nas discotecas antes da 1h ou pagar 10€ por 2 bebidas e para descontos em muitos outros sítios. A associação está aqui para ajudar todos a encontrar alojamento, para dar ajuda, fazer festas e viagens.
  • Passe da ATM (transportes): muitas vezes pedem-vos o Código Fiscal, mas às vezes não. Levem uma foto de passaporte e preencham o formulário que vos dão. Custa 17€ por mês + 10€ que têm de pagar quando vão fazer o passe. Façam-no o quanto antes porque o processo costuma demorar 2-3 semanas. Os “ATM point” (onde se pode fazer o passe) são em Piazzale Loreto, Garibaldi, Duomo (catedral).
  • Codice Fiscale: é um número que se deve fazer em Ufficio Anagrafe. Vão-to pedir cada vez que quiseres alugar uma casa, comprar um cartão para o telemóvel, o passe do metro e para muitas outras coisas. Um dos gabinetes encontra-se na Via Moscova 1, e se forem de metro até lá não saiam na paragem de Moscova que fica muito longe da loja, mas antes saiam em Turati. Aconselho-vos a irem muito cedo ou então vão perder toda a manhã. Levem o vosso B. I ou Cartão do Cidadão e uma fotocópia.
  • Telemóvel: quase todos os Erasmus são da Wind, com o tarifário “Wind Campus”, no qual pagas 6€ por mês e tens chamadas e SMS grátis para todos que sejam do mesmo tarifário quase ilimitadas.
  • Médico: se vão ficar mais de 3 meses, devem ir a qualquer ASL (Azienda Sanitaria Locale) e obter o vosso Cartão de Saúde Europeu e/ou o formulário E112, ou o vosso cartão de seguro privado se não fazem parte da segurança social. Aí dão-vos um papel que terão de levar ao médico no caso de vos acontecer algo. Uma ASL está na Via Ricordi, perto de Loreto.
  • Compra de livros da Universidade: se não chegares a tempo ou não encontrares o teu livro, há uma livraria que se chama Hoepli na rua Ulrico Hoepli, perto da Duomo. Têm de todo o tipo de livros, e se não encontrares, podes encomendá-los lá.

Ambiente Erasmus e Discotecas

O ambiente Erasmus e o ambiente jovem no geral em Milão é bastante bom. Pode-se dizer que Milão é a cidade de Itália que mais festa tem.

Vou falar-vos então um pouco da festa italiana. Não é como a espanhola, ainda que por vezes tentem imitar-nos com a gente por vezes a cantar, ou melhor, balbuciar por aí a canção do "alcohol, alcohol, alcohol, alcohol... hemos venido a emborracharnos, y el resultado nos da igual".

O “botellón” está a ser cada vez mais importado, mas costuma-se fazer nas casas ou residências, sobretudo durante o inverno. As bebidas também se costumam tomar sem gelo visto que as lojas e as gasolineiras fecham bastante cedo e é difícil de encontrar os “típicos chineses” abertos.

As discotecas fecham entre as 3:30h e 5h, dependendo. Há bastante música espanhola e reggaeton, mas dá para encontrar de tudo.

Para regressar a casa há autocarros noturnos durante os fins-de-semana (Circolare), ou então sempre se pode apanhar um táxi à saída da discoteca. Senão também há o táxi-bus, que se pode contratar ao ligar para um número. Costuma ser muito barato e leva um monte de pessoas.

Algumas das discotecas mais famosas são estas: Le Banque, Alcatraz, Shu Milano, Luminal, Loolapaloosa, Hollywood, The Club, Lime Light, The Rolling Stones, Lotus, Old Fashion, Nephenta, West End Studios, Black Hole, Karma, The Beach, Ondanomala, First Floor, Le Jardin. Quase todas estas últimas abrem na primavera/verão, sendo que as anteriores, como são discotecas de inverno, ficam praticamente anuladas nestas épocas.

Fonte

Para a altura dos famosos “aperitivos” recomendo muito ir à zona do Navigli, apanhando o elétrico nº3 na Via Torino, perto da Duomo (catedral). O “Slice” e um outro sítio que é um barco que estão no Navigli são ótimos. Para a gente que adora cerveja, recomendo o “Birrificio” em Lambrate.

Os da ESN (são muitas organizações da ESN em Milão devido ao grande número de universidades) também organizam festas e viagens muito interessantes e baratas. Uma das viagens mais famosas é o grande “Evento Nazionale” onde se reúnem quase todos os Erasmus de toda a Itália num complexo hoteleiro durante 3 dias de festa e diversão. Ano passado este evento teve lugar na Sicília no mês de maio, no qual foram mais de.

De qualquer maneira, é muito comum os estudantes Erasmus apanharem voos baratos da Ryanair e viajar pela Europa toda. Também podem ver voos muito baratos em www.volagratis.com. A seguir à Ryanair, os mais baratos são com a Fly Air One, da companhia Alitalia; e da AZfly, esta sobretudo para viajar por Itália.

Para viajar pelo território italiano, o comboio é o meio mais recomendado. Milão está perfeitamente conectada com o resto do país, pois sendo uma das cidades principais tem comboios até quase onde quiseres. Não costumam ser muito caros.

Os regionais são os mais baratos; depois são os intercidades, e os que levam compartimentos são um pouco mais caros; a seguir são os Eurostar, para trajetos mais largos são bastante mais caros; e por último estão os Frecciarossa, que são comboios de alta velocidade e muito caros comparados aos regionais. Por exemplo, uma viagem de comboio do Milão até Veneza custou-me 16€, mas podem apanhar um às 7h da manhã que esses são os mais baratos.

Atenção ao imprimir os bilhetes. Se puserem que é um “Biglietto per Convalidare” não se esqueçam de o validar nas máquinas amarelas que estão nas linhas, porque se não o fizerem recebem multa! Se comprares o bilhete com Prenotazione, com assento reservado e um pouco mais caro, não têm que o validar. É bom viajar com os bilhetes Prenotazione, principalmente para viagens longas, porque por vezes os comboios enchem e tem que se ficar de pé um monte de horas.

As estações principais são a Centrale, Garibaldi e Lambrate. Podem comprar os bilhetes na Biglietteria (bilheteira), com muita fila; ou nas máquinas, Biglietteria Automatica.

Alojamento – Residência ou Apartamento?

Ui… O tema do alojamento em Milão é um caos. Também depende muito da sorte, principalmente para quem andar à procura de piso.

Para quem vai procurar apartamento, aconselho a que fiquem um mês na residência, conheçam pessoal e enquanto aí procurem tranquilamente. Porque se não, é provável que gastem muito dinheiro em hostéis/albergues, ou então que o senhorio vos passe a perna e tenham que dizer um adeus prematuro à casa (daí há que ter sempre um bom contrato! )…

Há muitas coisas que podem acontecer que vocês só vão perceber quando aqui estiverem. Normalmente o pessoal acampa por umas noites no albergue Pierro Rotta, sendo que o normal é que se faça aí novas amizades e se conheça os futuros companheiros de piso.

Os típicos apartamentos de aluguer milaneses têm sempre algum problema quando estão baratos, por isso não se fiem. Ou não fazem contrato convosco, ou fica no cú de Judas, ou é num bairro um pouco mal habitado (ex. : Via Padova não é muito recomendável), ou tem mil defeitos. Muita gente tem casa na zona de Lambrate e Piazzale Loreto que são boas zonas.

Sempre podem ir até ao Politecnico para encontrar apartamentos. Lá encontram um muro cheio de anúncios de apartamentos e são dos mais baratos que podes encontrar. Podem também entrar em contacto com a ESN da vossa universidade. Ou então ir a imobiliárias ou procurar nas revistas imobiliárias gratuitas do metro, mas há que pagar sempre uma comissão, o que acaba por ficar um pouco caro.

Os apartamentos costumam estar por volta dos 400€ (a residência custa 300€) e costumam pedir uma fiança bastante elevada (já me chegaram a pedir 2500€! ) e por vezes podem pedir-te pagamentos mensais adiantados ou pagamentos de dois em dois meses.

Os apartamentos milaneses costumam ter dois quartos, uma casa de banho, e uma mini cozinha que por vezes costuma estar unida à sala, que também pode ser utilizado como quarto ocasionalmente. São pisos que, normalmente, estão em blocos velhos ou têm um estilo antigo. É difícil encontrar quartos individuais, a não ser que não te importes de pagar bastante. Também implica muitos gastos: condomínio, luz, água, Internet, etc.

No que diz respeito às residências, há também que ter muita sorte onde ficas. Há as mais luxuosas, como as de Sesto San Giovanni, que contam com ginásio, biblioteca, quartos individuais ou partilhados entre 2 pessoas e bastante recentes…

E depois há outras como Plinio e Canzio, que são pequenas e velhas. A vantagem é que estão no centro da cidade. Os quartos são de 2-3 pessoas (exceto 3 quartos individuais), têm 4 frigoríficos e 2 máquinas de lavar (só a podes usar 3 vezes por semana por quarto, agora imaginem um quarto com 3 pessoas…). A cozinha é para toda a residência e não tem forno sequer, está aberta das 7h até às 23h, após isso fecham-na. Outro problema é que há gente que rouba os frigoríficos e a Internet é restringida (no YouTube, no Messenger, no Skype e em muitas mais páginas) e vai abaixo a cada poucos minutos quase (eu tive que comprar um modem USB, Chiavetta).

O melhor das residências é que há gente italiana, por isso é onde se aprende melhor a língua.

Se algum dia tiverem problemas para arranjar alojamento e quiserem ficar numa residência, enviem mail para a emidia.rossati@consorziocidis.it.

O problema para os estudantes de Belas Artes é que a Accademia di Brera não assinou um acordo com as residências, por isso não têm outra opção senão procurar um piso por conta própria.

Curiosidades e Conselhos

  1. Recomendo vivamente que levem spray anti mosquitos. Em Itália há uma praga de mosquitos tigre. Picam muito no início do verão e em setembro. Em Itália, o spray é normalmente carito (5-6€ uma lata).
  2. As pessoas estão acostumadas a beber água com gás (frizzante) em vez de natural (naturale), por isso reparem naquilo que pediram antes de beberem.
  3. Os cães podem entrar em qualquer lugar, exceto aqueles onde puserem cartazes a dizer o contrário, mas isso é raro. Já cheguei a ver cães em restaurantes, ginásios e lojas. Os cães-salsicha são muito comuns aqui.
  4. Tenham cuidado ao atravessar das passadeiras, porque os italianos são autênticos kamikazes a conduzir.
  5. Quase não existem luzes de rua, por isso elas costumam estar bastante escuras, daí há que ter extra cuidado quando anoitece. Aqui a noite vem mais rápido, principalmente na zona da Via Padova.
  6. Levem as vossas mochilas/malas à vossa frente quando viajarem de metro e num autocarro cheio, principalmente quando forem sair à noite para as discotecas. Há muitos carteiristas.
  7. Os outlets aqui estão na moda.
  8. Não se vê muita gente a fumar na rua.
  9. Também não se vê muita gente obesa apesar da deliciosa comida daqui.
  10. Ignorem os “vendedores de pulseiras” e os “vendedores de rosas” que aparecem sempre na Plaza Duomo.
  11. Para os gulosos, aconselho-vos a irem até à “nutelandia”, paragem Sant’Ambrogio da linha verde do metro.
  12. Para arranjar medicamentos, quase qualquer medicamento, vão precisar da receita médica.
  13. Os ginásios normalmente pagam-se anualmente ou 6 meses. Há uns mais baratos que são os do Cus Milano, que têm acordo com a universidade. Para este tens que ter autorização médica.

Fonte

Coisas gerais quanto à bolsa Erasmus

  • A quantia da bolsa depende da comunidade autonoma, sendo as comunidades do sul (normalmente) as que valem mais. Aproximadamente uns 4000-5000€ para todo o ano.
  • A bolsa é entregue em vários pagamentos. Em Múrcia é realizada em 3 pagamentos e estes são efetuados quase sempre com um atraso de um mês ou mais, em janeiro, abril e setembro. Por isso, até janeiro tens que andar a pagar tudo do teu bolso.
  • Se não tens aprovação nuns quantos créditos, podem-ta retirar e terás que devolver todo o dinheiro.
  • Existem ajudas extra nas câmaras municipais, só tens é que lhes solicitar.
  • A Bolsa Mec (geral) é compatível com a bolsa Erasmus, por isso não hesitem em pedi-la. Além disso, se és um Erasmus bolseiro dar-te-ão uma ajuda extra bastante grande em comparação às pessoas que não são bolseiras.
  • Para as equivalências, depende tudo da tua faculdade. Depende deles que terás que procuram cadeiras semelhantes às que terias na tua universidade de origem ou não; eu por exemplo não tive. Normalmente, para te darem as notas, somam todas as tuas qualificações da universidade estrangeira e fazem uma média. Depois essa média é distribuída pelas cadeiras nas quais estavas matriculado.
  • Se reprovares ou não conseguires fazer algumas cadeiras e quiseres que te validem o curso completo (ou seja, estudar durante o verão para ir à época especial em setembro), podes escolher continuar a ser aluno Erasmus, apresentar-te para os exames na tua universidade de destino de novo em setembro, ou então terias que passar a ser “aluno oficial”. Tens que ir à secretaria do teu centro espanhol mudar o teu estado de aluno para ficares com o direito de te apresentares para os exames da tua universidade em setembro. Se o fizeres ou estiveres a pensar em fazê-lo há uns meses atrás, vai pedindo apontamentos aos teus amigos espanhóis para te ires preparando.

Finalmente…

Espero que vos tenha ajudado no que quer que seja e que vos sirva bem esta informação!

Deixo-vos aqui um link de uma entrevista minha sobre Milão, se quiserem ver: www.in-formados.com e procurem em Erasmus em Milão.

Agora há um projeto com a universidade e a camara municipal de Milão no qual um ex-aluno Erasmus que esteve em Milão vai lá estar uma semana para ajudar-vos. Espero poder ir também e ajudar-vos pessoalmente!

A página do projeto é http://www.erasmusvillage.com e o meu perfil é sorimilano.

Cumprimentos, e que desfrutem da vossa experiência milanesa!

Muita sorte!


Galeria de fotos



Partilha a tua Experiência Erasmus em Milão!

Se conheces Milão como nativo, viajante ou como estudante de um programa de mobilidade... sobre Milão! Avalia as diferentes características e partilha a tua experiência.

Comentários (1 comentários)

  • Cassimiro Amaral Scheid há 5 dias

    Boa noite Soraya
    Sou Cassimiro e estou indo de Erasmus para Milão. Estudo arquitetura em Coimbra.
    Excelente sua matéria. Muitas dicas importantes.
    Você pode me confirmar o e-mail da responsável por auxiliar os apartamentos de estudantes. Tentei enviar para o e-mail e disse que não existe esse e-mail. emidia.rossati@consorziocidis.it
    Mais uma vez muito obrigado
    Cassimiro Scheid

Partilha a tua experiência Erasmus!


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!