Advertise here

Planeando a viagem!

Traduzido por Rita Cruz — um ano atrás

Texto original por Héctor Vera

Blogue: Blog de traduções de Rita em Português
Etiquetas: Geral

Um dos planos para os quais estou mais animado para este ano de 2017 é a preparação da minha pequena viagem, por conta própria, um Interrail. É algo que ainda não foi decidido a cem por cento, mas é um projeto que pouco a pouco está ganhando forma e que, se o fizer, farei um diário de viagem para contar como foi a minha experiência pela Europa.

Planeando a viagem!

Fonte.

O principal objectivo da viagem seria ver alguns dos meus amigos que fiz durante o meu período Erasmus em Turku. Infelizmente, não tenho muito tempo ou dinheiro para visitá-los a todos (muitos deles nem vivem na Europa). Mas a minha ideia é planear uma pequena viagem, mais ou menos de 14 dias, e visitar algumas das cidades que mais me interessam e depois poder passar algumas noites a visitar alguns dos meus amigos.

Ao fazer uma viagem como esta, muitas dúvidas vão surgindo, especialmente se for a tua primeira experiência num Interrail, e se para além disso foi também a primeira vez que faças turismo por um período tão prolongado como este. Portanto, é importante pensar antecipadamente onde queres ir e onde achas que vais te sentir confortável, embora a verdade seja, algo que é mesmo inevitável, que mesmo que não queiras irás ser ter de improvisar.

Em primeiro lugar, para planificar a viagem, o que fiz foi, como já é normal, visitar a página oficial de Interrail. Aqui podes encontrar toda a informação principal que irás necessitar, assim como as recomendações de todo o tipo e sobre todos os dados relevantes sobre as redes ferroviárias de cada pais.

Passes de Interrail

Planeando a viagem!

Fonte.

Uma das principais coisas a dizer é sobre o que escolhi. Neste momento estou indeciso sobre qual passe é que devo escolher, e estou entre dois tipos. Um dos passes permite-te viajar 5 dias durante um período no total de 15 dias. O preço deste passe seriam os habituais 206 euros (para menores de 26 anos), mas o habitual é que passe custe uns 206 euros (para menores de 26 anos), mas é comum conseguir arranjar alguma promoção, como por exemplo, agora há um desconto de 15%, baixando o preço para 175 euros. A desvantagem deste passe é que necessário apanhar dois voos, um para ir e outro para regressar, porque é importante ter em conta que este passe não te permite viajar desde o teu país. E porque esta desvantagem? Basicamente, por ódio dos aeroportos. Porque eu gostaria de fazer toda a viagem em comboio.

E é aqui que entra a minha segunda opção, a qual seria comprar o passe que te permite viajar 7 dias durante um período de 30 dias no total. Qual seria a vantagem? Que poderia começar a viagem no sul da França, ou seja, na parte que fica perto do País Basco, para onde teria de ir também de comboio. E para regressar poderia fazer a mesma viagem, mas pela outra parte do sul de França. Não seria mais caro do que a primeira opção, já que o preço deste bilhete é de 256 euros, mais ou menos o mesmo que o anterior. Para além de que tenho família na cidade que faz fronteira com a França, "Fuenterrabia", algo que seria perfeito para a minha viagem.

De qualquer forma, os passes e toda a informação correspondente aos passes encontram-se nesta página, apenas tens de fazer alguma pesquisa e ver qual é o passe que te fica mais conveniente para cada caso. Obviamente, o ideal, no meu caso, seria poder viajar o quanto quisesse durante os 15 dias, porque me daria muitas mais possibilidades, mas o preço é demasiado para mim.

Rotas possíveis:

Uma vez decidido sobre o passe, já sabendo quantas vezes posso viajar, tinha chegado o momento de decidir a rota que queria fazer (como Cristóvão Colombo). O mapa de interrail encontra-se disponível neste pdf, que está na página, apenas é preciso descarregá-lo e depois pode-se ver todas as conexões que há entre as diferentes cidades da Europa, para além do tipo de linha que há em cada lugar (comboio de alta velocidade, ou outro).

Há também que ter em conta o tempo que se irá levar para viajar, que pode ser visto no mapa que se encontra na mesma página, que estima o tempo que se leva para viajar entre os principais pontos do continente. E é aí que eu acho que será preciso que improvises um pouco, já que, afinal de contas, não importa o quanto planeies tudo muito bem planeado, porque no final será impossível que tudo corra como esperado.

  • 1ª Opção:

Se comprar o passe que permite viajar durante 5 dias, durante um período de 15 dias, o que farei é comprar um bilhete de avião até à cidade mais barata, ou seja, para Berlim. POde ser que existam outras opções mais baratas, mas Berlim é a melhor conexão de comboio que tinha. Outra opção seria ir para Bruxelas, um destino muito barato e com uma posição central no continente.

A ideia seria ir visitar Berlim, porque nunca tinha visitado antes, e a partir daí começar a viagem até Dortmund, zona na qual poderia encontrar-me com algum dos meus amigos que vivem por ali. Depois, o meu destino seguinte seria a Bélgica, Liège, onde tenho um amigo meu Espanhol a fazer Erasmus na cidade, mas não sem antes fazer uma visita rápida à cidade de Luxemburgo.

Planeando a viagem!

Cidade de Berlim.

Planeando a viagem!

Cidade de Liège.

Planeando a viagem!

Cidade de Luxemburgo.

Posteriormente iria a Paris, visitar outro amigo meu, e por último fazer uma pequena visita, e gastando as minhas últimas viagens a visitar a Suiça, Áustria, e acabar na cidade de Milão, onde poderia apanhar um voo direto para Madrid.

Planeando a viagem!

Cidade de Paris.

Planeando a viagem!

Suiça.

Planeando a viagem!

Áustria.

Planeando a viagem!

Cidade de Milão.

  • 2ª Opção:

A opção do passe para viajar 7 dias por um período de um mês seria a mesma coisa que a o anterior, mas o contrário. Quero dizer, eu começaria a minha viagem em Hendaye, depois ia para Paris, e terminaria a minha viagem em Milão, para poder regressa a Espanha. Neste sentido, ainda tenho muito para analisar, mas, mais ou menos, seria uma viagem pelos mesmos sítios, mas fazendo o percurso inverso e sem de apanhar nenhum avião.

Sem dúvida, que se eu pudesse escolher a opção de viajar quantas vezes eu quisesse durante 15 dias, a viagem seria muito mais completa, mas por agora ainda é uma opção bem distante.

Aplicações recomendadas:

Essa é a única coisa que pode ser feita em casa, o próximo passe é comprar o passe e simplesmente começar a aventura. Mas primeiro, deves procurar informação sobre as aplicações móveis, que podem tornar-te a vida muito mais facilitada. .

  • Rail Planner:

Em primeiro lugar (e que é recomendado por pessoas que já fizeram Interrail) é a aplicação Rail Planner. Esta aplicação é fantástica e muito fácil de usar. Basta colocar a cidade de origem e a cidade de destino e a aplicação irá informar-te a que estação deves ir, a hora a que o comboio sai, as estações intermédias e a hora prevista de chegada, bem como as transferências se estas forem necessárias.

Sem ter feito Interrail, posso dizer que esta aplicação é fundamental. Pelo menos para calcular o tempo em que vais estar a viajar, tendo uma melhor planificação da viagem, já que nem sempre o tempo que pensas que vais estar à espera corresponde à realidade, podendo ser mais ou menos.

  • HostelWorld:

Planeando a viagem!

Fonte.

Em segundo lugar de ordem de importância está o HostelWorld, uma página que eu conhecia há algum tempo e que serve para encontrar alojamentos baratos em todo o mundo. A aplicação é bastante boa, tem um mapa que te informa onde os alojamentos estão localizados na cidade, para onde tens de ir e qual a pontuação e o preço de cada hostel, tornando muito fácil decidir em relação ao preço e à qualidade, face ao estás disposto(a) a pagar.

Eu viajo sozinho, e não estou a pensar em fazer reservar para nenhum lugar, por isso tenho a certeza que esta aplicação irá salvar de ter passar alguma noite ao relento.

  • Couchsurfing:

Planeando a viagem!

Fonte.

E em último lugar, mas não menos importante, está o Couchsurfing, a aplicação conhecida por quase toda a gente, e é a página que conecta pessoas de todo o mundo, que oferecem a sua casa a viajantes, tudo de forma gratuita. É sem dúvida a forma mais barata de viajar, mas requer ter uma consideração especial pela pessoa que se aloja. O que quero dizer, é que é diferente de ir para um hotel, porque não podes estar só por tua conta, chegando à hora que queiras.

Isto pode ser um inconveniente, mas é, sem dúvida, o melhor (porque é totalmente gratuito) e tens a oportunidade de conhecer um habitante local que já conhece as coisas interessantes e que te podem mostrar os diferentes sítios na cidade, e que de outra forma não irias ter oportunidade de conhecer.

Mas, lembra-te que é uma aplicação na qual qualquer pessoa pode colocar um alojamento, ou seja não é nada garantido como pagar por um quarto num hostel. Pode acontecer que chegues à cidade e que essa pessoa tenha um imprevisto, por isso o melhor é teres várias opções já preparadas, no caso de alguma delas falhar.

E se falham todas as opções, suponho que não terás outro remédio a não ser passar a noite a visitar a cidade.


Galeria de fotos



Content available in other languages

Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!