Advertise here

Bolsa Erasmus

Hoje vou-vos falar sobre um tema que interessa a todos os de Erasmus. Dependendo do país a coisa muda, mas em concreto, nós espanhóis ficamos muitos meses à espera que o governo de Espanha dissesse alguma coisa sobre quanto dinheiro nos iam dar de bolsa. E finalmente, ontem chegaram as últimas notícias sobre a quantidade definitiva que recebemos de bolsa para este curso de 2012/2013.

De certeza que a maior parte de vocês já devem ter sido informados pelas vossas universidades sobre o tema, mas como nunca vi ninguém a falar sobre isso, eu informo-vos caso alguém não saiba. E já agora, se alguém de Erasmus de qualquer outro país tenha curiosidade em saber da miséria de bolsa que nós espanhóis recebemos então também já se podem informar aqui.

Bolsas em Espanha

Devo dizer para começar que em Espanha recebemos a bolsa de três partes diferentes. A maior parte supõe-se que deveria vir do Ministério da Educação, Cultura e Desporto, ou seja, do Governo de Espanha; outra parte viria da nossa Comunidade Autónoma, no meu caso de Andaluzia, a qual devo dizer que é a Comunidade Autónoma de Espanha que mais dinheiro dedica a bolsas para estudantes; e por último a parte do Organismo Autónomo de Programas Educativos Europeus (OAPEE), portanto, o Parlamento Europeu.

Como uma quarta ajuda, a vossa universidade de origem pode dar uma pequena bolsa, mas não estão obrigadas a isso. Tudo depende da tesouraria de cada universidade.

Por exemplo, a Universidade de Sevilha foi escolhida há uns anos como a melhor universidade espanhola a dar bolsas Erasmus.

Outras como por exemplo a minha universidade, Pablo de Olavide (UPO) de Sevilha, no ano passado, após os cortes em bolsas feitos pelo Governo, comprometeu-se a conceder uma bolsa os estudantes de Erasmus de uma quantia de 600 euros, para que todos contassem com a quantidade de dinheiro que os outros estudantes Erasmus contaram nos últimos anos. No entanto, devido à crise e à má situação económica de dita universidade, as ajudas tardaram muitos meses a serem concedidas, mas realizaram-se na mesma.

Este ano a situação na minha universidade é ainda pior, por isso ainda nem se pronunciaram sobre se nos dariam uma ajuda extra ou não.

Por outro lado, há outras universidades como a de Málaga que contam com uma boa situação económica. Tanto que até concederam uma boa bolsa a todos os seus Erasmus, entregando esse dinheiro antes que eles saíssem do país.

Bem, vamos ao que interessa, que é saber quanto dinheirito vamos ter para todo o curso que nos resta de Erasmus.

Situação atual

Para as pessoas que não foram bolseiras do ministério no curso anterior de 2011/2012, o Governo dá um total de 100 euros por mês, mas só por oito meses. De maneira que nós que ficamos para o curso completo, ou seja dez meses, vamos ter que nos desenrascar da vida, porque o Governo considera que poderíamos estar menos tempo em Erasmus.

As pessoas que foram bolseiras pelo ministério no ano anterior, só receberam uma ajuda de 85 euros por mês, também por uma estadia total de oito meses.

Assim, as ajudas dadas pelo Governo foram reduzidas em 40% em relação ao ano anterior de 2011/2012.

Se calcularmos em separado, para os não bolseiros reduziu uns 33, 33%, mas para os bolseiros a redução foi de 59, 25%.

Agora há um problema. A Junta de Andaluzia fez uma tabela com os seus pagamentos baseando-se no nível de vida de cada país de destino e baseando-se também na quantidade de dinheiro que pensa que o Governo concederia, motivo pelo qual se observarmos a tabela da Junta vemos que dão mais dinheiro aos não bolseiros que aos bolseiros.

Aqui está o problema: se observamos o total que receberá cada pessoa por mês de estadia, considerando um total de dez meses de estadia, todos os não bolseiros receberão mais dinheiro que os bolseiros, excetuando um ou dois grupos.

Isto não faz muito sentido, visto que agora não sabemos se a Junta vai modificar as quantidades. E caso o façam, ou dão menos dinheiro aos não bolseiros ou darão mais aos bolseiros.

De qualquer forma, a situação final fica da seguinte maneira:

  • Receberemos os 100 euros durante oito meses se não formos bolseiros de Governo, 85 se formos.
  • Receberemos 110 euros mensais durante a estadia completa da parte do Parlamento para todos os estudantes Erasmus.
  • E no meu caso, no caso de todos os Andaluzes que estão em França, receberemos 272 euros mensais se não formos bolseiros e 152 se formos.

Se fizermos os cálculos, tendo em conta que o Governo só cobre 8 meses, a Junta de Andaluzia 9 meses e o Parlamento 10 meses, eu e a gente que está na minha situação receberemos um total de 434, 80 euros mensais durante a estadia completa.

Não sei quanto a vocês, mas isso aqui em França não dá para muito, visto que pago 390 euros de aluguer e 30 de condomínio como gastos fixos. Tudo junto dá 420 euros, e normalmente são mais uns 30 euros de luz. Até só com estes gastos me faltaria dinheiro e não me restaria nada para comer.

Portanto é esta a situação.

Para que fiquem mais esclarecidos, deixo-vos aqui uma foto explicativa se quiserem ver também a vossa situação:

beca-erasmus-204367b290ca3c2ff4bb4faf61b

Explicação da foto:

  • Grupo A: Luxemburgo, Irlanda, Países Baixos, Áustria, Suécia, Islândia, Suíça e Noruega.
  • Grupo B: Dinamarca, Alemanha, Bélgica, Reino Unido e Finlândia.
  • Grupo C: França, Espanha, Itália, Chipre e Grécia.
  • Grupo D: Eslovénia, República Checa, Malta, Portugal e Eslováquia.
  • Grupo E: Hungria, Estónia, Lituânia, Letónia, Polónia, Roménia, Bulgária e Turquia.

Galeria de fotos



Content available in other languages

Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!