Advertise here

Museu do Terror "Igrejas"

Publicado por Catarina Serrano — um ano atrás

0 Etiquetas: Experiências Erasmus Budapeste, Budapeste, Hungria


Sala do museu dedicada às igrejas

Tanto o nazismo quanto o comunismo consideravam a religião como seu inimigo. Enquanto as ditaduras totalitárias perseguiram e assassinaram suas vítimas com base em critérios coletivos, a religião olha o pecado e pratica o perdão com base na responsabilidade individual. Tanto os nazis quanto os comunistas substituíram Deus pelos seus próprios líderes, que apresentaram como infalíveis e omniscentes. Eles juraram fidelidade ao seu líder, entravam em batalha em seu nome e cercaram a sua pessoa com rituais adequados a um ídolo. Eles proclamaram que exigiam homens de um novo tipo para criar um mundo novo, um paraíso especial na Terra. Eles perseguiram a religião, os fiéis e as igrejas, porque o ensino ético-religioso era diametralmente oposto às ideologias nazis e comunistas.

Embora em 1938-1939 os líderes das igrejas cristãs na Húngria não contestassem as vergonhosas leis judaicas, seguindo a ocupação nazi, quando os seus compatriotas judeus estavam em perigo de vida, alguns deles apressaram-se a ajudar. Igrejas, paróquias, conventos abrigaram muitos dos perseguidos. Sacerdotes, pastores, freiras e muitos crentes religiosos comuns salvaram vidas. A coragem heróica dos católicos Áron Márton, Vilmos Apor, Margit Slachta, József Élias da Igreja Reformada e o Luterano Gábor Sztehló são apenas alguns exemplos brilhantes.

Museu do Terror

Áron Márton

(http://www.ziaristionline.ro/wp-content/uploads/2015/09/Marton-Aron-1896-1980-consacrat-ca-episcop-romano-catolic-de-Alba-Iulia-in-februarie-1939.jpg)

Museu do Terror

Vilmos Apor

(http://www.magyarovar.eplebania.hu/files/3/news/133/107/.apor-vilmos.jpg)

Museu do Terror

Margit Slachta

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e9/Slachta_Margit.jpg)

Museu do Terror

(http://www.izrael-immanuel.net/wp-content/uploads/2014/05/%C3%89li%C3%A1s-J%C3%B3zsef.jpg)

Desde o início, a ditadura comunista considerava as igrejas em função da sua autoridade moral e espiritual, o seu poder financeiro e organização internacional, como inimigos implacáveis a serem esmagados. Era o objetivo dos comunistas arruinar a reputação dos líderes da igreja e das suas instituições, desviando-os como reacionários, como obstáculos de progresso. Eles pisaram a autoridade moral dos sacerdotes e qualificaram-no como um crime político se defendessem a sua fé e liberdade de religião. Eles gradualmente fizeram todos os esforços para destruir as igrejas e erodir a vida religiosa. Como primeiro passo, expropriaram as terras da igreja católica romana através da reforma agrária de 1945. Embora esta medida tenha ameaçado a maioria das instituições de igrejas com ruína financeira, numa carta emitida a 24 de maio de 1945, o episcopado expressou a sua esperança de que o sucesso dos novos proprietários compensaria a igreja pelas suas perdas e preocupações.

O regime comunista fixou salários abaixo da linha de pobreza para sacerdotes, pastores e rabinos. Proibiram e desmantelaram associações religiosas, caritativas e devocionais. Além de algumas exceções, fecharam todas as instituições educacionais pertencentes à igreja. Em 1949, pararam o catecismo compulsório e instituíram o ensino religioso opcional. Os pais daqueles que seguiram a construção religiosa foram constantemente assediados e intimidados. Os alunos que frequentavam escolas religiosas eram regularmente discriminados nos exames de admissão na faculdade e na universidade.

Os líderes da Igreja, que estavam relutantes em cooperar com o partido-estado, foram eliminados por ataques internos, emigração forçada, processos judiciais inventados, prisões, ameaças.

O escritório da igreja estadual, estabelecido em 1951, assumiu o comando de cada denominação. Com a ajuda dos chamados sacerdotes da paz, subservientes à política partidária e aos bispos e portadores de cargos da igreja escolhidos fraudulentamente entre secretários do partido e funcionários comunistas, mancharam a autoridade moral das igrejas. Os novos líderes defenderam os interesses do partido-estado, agitados em favor da coletivização do campesinato, participaram no trabalho de paz e tiveram os seus representantes na Frente Patriótica dos Povos e no parlamento.

Os ex-líderes das igrejas, pastores, sacerdotes estavam presos ou tinham sido forçados a aposentadoria total. Parcelas de pastores, sacerdotes, monges e rabinos tinham que deixar a sua terra natal. Por meios políticos e administrativos e intimidação, eles conseguiram forçar a assinatura de documentos, que eles chamaram de acordo, entre o governo e as igrejas calvinistas e unitárias, respectivamente. O mesmo acordo foi assinado com a igreja luterana e a comunidade judaica dois meses depois. No início do domínio comunista, havia quatro escolas secundárias da Igreja Reformada, mas em 1951 apenas restava uma.

Apesar dos acordos para não assediar as igrejas, os comunistas continuaram a purgar as igrejas. Os comunistas deportaram e prenderam pastores luteranos. Gyorgy Kendeh e András Keken, bem como Péter Fekete e Tibor Kovács, que eram ministros auxiliares da igreja reformada na região de Trans-Tisza.

As prisões encheram-se com sacerdotes católicos, monges e freiras. Mesmo durante a chamada ditadura suave, nos anos sessenta e setenta, eles encarceraram jovens acusados de organizar movimentos católicos induzidos por calvinistas. Para aqueles que eram desobedientes ao estado do partido, o Escritório Estadual de Assuntos Religiosos aplicou o princípio de mudança de serviço até o final.

Os acordos forçados da igreja católica permaneceram por quarenta anos, entre 1950 de agosto e 1990.


Galeria de fotos


Partilha a tua Experiência Erasmus em Budapeste!

Se conheces Budapeste como nativo, viajante ou como estudante de um programa de mobilidade... sobre Budapeste! Avalia as diferentes características e partilha a tua experiência.

Comentários (0 comentários)



Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!