Advertise here

Museu do Terror "Cardeal Mindszenty"

Publicado por Catarina Serrano — um ano atrás

0 Etiquetas: Experiências Erasmus Budapeste, Budapeste, Hungria


Sala do museu dedicada ao cardeal Mindszenty

De acordo com os dados do censo de 1945, 70%, seis milhões e meio de população da Húngria era da fé católica romana. Por essa razão, a Igreja Católica possuía a maior influência social e política, bem como a influência económica mais significativa. A rede de instituições educacionais, sociais, culturais e devocionais abrangia todo o país. A Igreja Católica desempenhou um papel importante na criação e manutenção da cultura nacional e das suas tradições.

A 7 de outubro de 1945, o Vaticano colocou um homem carismático na cabeça da igreja católica húngara, que disse não, tanto ao terrorismo como às ditaduras. Como bispo de Veszprém, passou pelas prisões do Arrow Cross e, a partir de dezembro de 1948, os comunistas. Com o Cardeal Mindszenty a liderar a igreja católica, foram mobilizadas centenas de milhares de fiéis em defesa das suas instituições. A igreja preocupou-se principalmente com as suas escolas e prejudicou a abolição da educação religiosa compulsória. Os comunistas líderes continuaram a promover o ódio contra o Cardeal Mindszenty e toda a igreja católica.

Museu do Terror

Cardeal Mindszenty

(https://ujszo.com/sites/default/files/photos/promoted/min_1418157930.jpg)

A polícia manteve as instituições e as escolas da igreja sob constante perseguição. Várias dúzias de estudantes do ensino médio foram levados de Gyongyos, juntamente com o professor franciscano, o padre Szaléz Kis.

Museu do Terror

Szaléz Kis

(https://alfahir.hu/sites/barikad.hu/files/Kiss%20Szalez_1.jpg)

A acusação foi o assassinato de vários soldados soviéticos em torno de Gyongyos, entre novembro de 1945 e janeiro de 1946. O padre, os jovens de dezessete anos, Otto Kizmann e László Bodnár, além de Sándor Kiss de desasseis anos de idade, foram executados a 10 de dezembro de 1946. Os seus associados foram sentenciados a longo prazo de prisão e trabalho forçado.

Em janeiro de 1946, Rákosi divulgou a palavra de ordem de que  até o final do ano, a reação clerical deveria ser eliminada.

Museu do Terror

Rákosi

(https://hungarynews.files.wordpress.com/2016/06/rc3a1kosi.jpg)

Os comunistas lançaram uma campanha a nível nacional em apoio à nacionalização das escolas. Com o pretexto de um tiroteio acidentalmente na vila Pócspetri. János Kádár, Gábor Peter e Mikklód Vásárhelyi do visitaram a cena do incidente. A AVO ocupou a aldeia e praticamente todos os habitantes foram molestados. Todo o país ressoou com o chamado "a reação clerical matou um policia".

A 20 de junho de 1948, as escolas da igreja foram nacionalizadas. Logo depois, as igrejas foram excluídas da esfera da saúde e do trabalho social. 

Até então, detiveram e depois sentenciaram o cardeal József Mindszenty, chefe da igreja católica romana. O seu julgamento foi presidido por Vilmos Olti no tribunal popular e durou de 2 a 8 de fevereiro de 1949. O promotor era Gyula Alapi. Durante o decurso do julgamento, o sentimento público foi atingido até um nível sem precedentes. Eles tentaram convencer o país dos crimes de Mindszenty.

Introduziram o conceito de reações clericais. Do papa ao mais insignificante pároco da aldeia, todos os clérigos tornaram-se reacionários. As prisões tornaram-se repletas de sacerdotes e o arrasamento dos fiéis leigos tornou-se um assunto de rotina. A igreja tentou resistir tanto quanto podia. Finalmente, no verão de 1950, desistiu.

O episcopado teve que enfrentar o fato de que a crueldade e a brutalidade dos comunistas eram ilimitadas. Estava angustiado sobre o destino dos seus irmãos perseguidos, mais de dez mil monges e freiras. 

No acordo, o episcopado católico comprometeu-se a apoiar o sistema político e a república popular do governo, enquanto o governo prometia sustentar a liberdade religiosa e o livre funcionamento da igreja. A igreja católica recuperou oito das suas escolas e a permissão das suas ordens de ensino para executá-las.

Menos de um ano depois, o signatário do acordo, József Grosz, arcebispo de Kolocsa, entrou na linha de tiro. József Révai, ideólogo-chefe do Partido Comunista, elaborou a estratégia do próximo show trial. Foi encenado no verão de 1951. O arcebispo Grosz foi condenado a 15 anos, Ferenc Vezér, recebeu a pena de morte, Vendel Endrédy foi condenado a 14 anos de prisão. Em julho de 1951, liderado por Gyula Czapik, arcebispo de Eger, o episcopado tomou o juramento de lealdade à constituição da república popular húngara.

Museu do Terror

Ferenc Vezér

(https://mno.hu/data/cikkek/1072/10724/cikk-1072439/vezerferenc93.jpg)

Os comunistas alcançaram o seu objetivo. O terror provocado pelo AVH quebrou a resistência do episcopado e estendeu a esfera de influência do partido-estado sobre a igreja católica.

Em 1956, Mindszenty foi libertado pela revolução e voltou a assumir a liderança da igreja. No dia do ataque armado dos soviéticos, ele se refugiou-se na embaixada americana. Ele passou quinze anos em confinamento auto-imposto no seu prédio da Praça Szabadság. Em 1971, sob a pressão da Santa Sé e do governo húngaro, Mindszenty consentiu em emigrar. Ele viveu por mais quatro anos. As suas cinzas foram trazidas para casa em 1991 e ficaram na Basílica de Esztergom. A sua beatificação está em andamento.

Museu do Terror

Basílica de Esztergom

(http://about-eastern-europe.com/wp-content/uploads/2012/10/esztergom-basilica.jpg)


A visita do papa João Paulo II à Hungria em agosto de 1991 simbolizou o fim de quarenta anos de perseguição religiosa.


Galeria de fotos


Partilha a tua Experiência Erasmus em Budapeste!

Se conheces Budapeste como nativo, viajante ou como estudante de um programa de mobilidade... sobre Budapeste! Avalia as diferentes características e partilha a tua experiência.

Comentários (0 comentários)



Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!