Advertise here

1/11/17

Publicado por Catarina Serrano — um ano atrás

Blogue: Vida em Iasi
Etiquetas: Blogue Erasmus Iasi, Iasi, Romênia

Tópicos deste dia

  1. Aula de voleibol, estratégia para evitar o Gabarolas
  2. Maniento que julga saber mais de voleibol do que eu
  3. Corrida para a casa de banho no ginásio
  4. Viagem para Budapeste
  5. Organização das linhas de comboio na estação
  6. Comer o milka de 800 kcal
  7. Estorvo que não nos deixou dormir no comboio

Aula de voleibol, estratégia para evitar o Gabarolas


Neste dia teria a minha aula favorita, voleibol, ou seja, a aula com o Gabarolas, portanto adotei uma técnica para o evitar, consiste em ligar à minha mãe assim que chego ao pavilhão e fico ao telefone com ela até a aula começar, assim o Gabarolas já não pode vir ter comigo e convidar-me para sair. Ele enerva-me, porque vem falar comigo quando está toda a gente a ver e a ouvir, faz isso para se armar em bom, "olhem para mim a convidar a rapariga de erasmus para sair", não gosto de pessoas assim.

Maniento que julga saber mais de voleibol do que eu


No decorrer da aula, estava mais uma vez num jogo de 6 contra 6 e a equipa adversária estava pronta para servir, eu estava colocada na minha posição, atrás da linha dos 3 metros e um dos meus colegas, que tinha a mania que sabia mais daquilo do que toda a gente, estava-me a dizer para eu me colocar à frente da linha dos 3 metros, só que eu não me estava a colocar como ele queria, porque o rapaz que ia servir tinha força, logo qual era a lógica de eu estar a ir mais para a frente? Quando alguém serve com força é necessário recuar na receção, é lógico. O meu colega continuava a insistir comigo e eu passei-me, tive que o envergonhar, fui perguntar ao professor se eu podia receber como eu queria ou se tinha que fazer o que o inteligente ao meu lado queria. O professor deu-me razão, como é óbvio e o outro calou-se, é que já me estava a incomodar, devia achar que estava a falar para os colegas dele que não percebiam nada daquilo, logo a mim é que ele tinha que vir dar dicas, logo a mim que já fui federada, era o que faltava ter que aturar tal afronta.

1/11/17

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/be/Footminton_Pitch.png)

Corrida para a casa de banho no ginásio

No final da aula fui ao ginásio e estava a meio do treino quando tive que deixar o exercício a meio e correr para a casa de banho o mais rápido que pude, acho que o meu estômago ainda não tinha recuperado da maldita lasanha estragada do dia enterior. Depois do ginásio voltei a casa e preparei as minhas coisas para a viagem a Budapeste.

Organização das linhas de comboio na estação

1/11/17

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/2/2b/The_train_station.Iasi-Romania.JPG)
Cheguei à estação e perguntei qual era a linha na qual tinha que apanhar o comboio, disseram-me que era na linha 2, eu procurei e não encontrei nenhuma linha 2, havia a 1, a 3, a 4 e a 11, mas não havia a 2, voltei a perguntar a outra pessoa qual era a linha 2 e pelos vistos era a 11, ou seja, a linha 1, a 3 e a 4 tinham numeração arábica, só a linha 2, que era precisamente aquela que eu queria encontrar, é que estava em numeração romana, não tinha lógica nenhuma, mas também já parei de tentar entender a lógica das coisas na Roménia.

1/11/17

Já eram 21h23 minutos e não havia sinal do comboio, supostamente ele partia às 21h25 minutos. A Carolina disse que se calhar havia outra linha 2 e mais uma vez não vi lógica nenhuma nisso, mas lá fomos nós à procura e lá estava ela. Por sorte não perdemos o comboio, era na linha 2c, a incompetente da mulher da estação só me disse que era a linha 2, se a tivesse ouvido, ainda lá estaria à espera do comboio.

Comer o milka de 800 kcal

Como é ritual, eu e a Carolina comemos sempre um milka durante as viagens de comboio que fazemos, desta vez comprámos um milka gigante, quando vi as calorias perdi logo o apetite, mas a minha mãe nã criou uma desistente e comi-o todo até ao fim.

1/11/17

Estorvo que não nos deixou dormir no comboio

Na Roménia, o lugar nos comboios funciona da seguinte forma, temos um lugar, mas podemos sentar-nos onde quisermos, portanto fizémos isso, assim como toda a gente faz. O comboio parou numa estação e entrou um homem que se foi sentar ao nosso lado, porque aquele era o lugar dele, havia um monte de lugares vazios, sem ninguém ao lado, mas ele teve que ir para ali, porque era o número que estava no seu bilhete. Eu e a Carolina não conseguimos dormir nada, porque não nos podíamos deitar nos bancos, visto que ele estava lá, maldito estorvo.


Galeria de fotos


Comentários (0 comentários)


Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?

Se estás a viver uma experiência no estrangeiro, és um viajante ávido ou queres dar a conhecer a cidade onde vives... cria o teu próprio blogue e partilha as tuas aventuras!

Queres ter o teu próprio blogue Erasmus?


Você ainda não tem uma conta? Regista-te.

Espera um momento, por favor

A dar à manivela!